Escolha as suas informações

Saldos de verão são balão de oxigénio para os comerciantes
Luxemburgo 31.07.2020

Saldos de verão são balão de oxigénio para os comerciantes

Saldos de verão são balão de oxigénio para os comerciantes

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 31.07.2020

Saldos de verão são balão de oxigénio para os comerciantes

Os preços baixos continuam a fazer escoar os produtos que ficaram confinados durante dois meses consecutivos. A Confederação do Comércio faz um balanço positivo da época de saldos.

Com as lojas a reduzir os preços até 70%, a época de saldos de verão disparou as vendas no comércio luxemburguês. Quem o diz é o vice-diretor da Confederação do Comércio (CCL) que estima que as vendas deste ano sejam "comparáveis às do ano passado". Uma tendência também confirmada pelo representante da Federação da Moda (Femo) que, citado pelo Paperjam, garante que a procura também chegou do outro lado das fronteiras. 

Dono de uma loja de couro, Marc Muller refere que logo "no primeiro fim-de-semana, 80% das compras vieram de clientes da Alemanha ou da Bélgica". A tendência era de comprar malas e sacos escolares para preparar o início do novo ano lectivo a um preço reduzido.

O vice-diretor da CCL vinca "retornos bastante bons", na generalidade dos casos. "Varia um pouco de um local para outro, mas o feedback que recebo de diferentes comerciantes é que eles eram, no início das vendas, bastante comparáveis aos do ano passado", relata Claude Bizjak. 

Questão de Estratégia 

Tanto a CCL como a Femo atribuem o sucesso das vendas a preços baixos ao facto do Luxemburgo ter decidido manter o arranque da época de saldos a 26 de junho. 

Em França, por exemplo, os saldos só começaram em julho. Na Bélgica arrancam este sábado com várias limitações e restrições de segurança. Além da máscara, passa a ser obrigatório fazer compras sozinho e, no máximo, em 30 minutos.

Optimismo com moderação 

Embora a época tenha sido um sucesso, a CCL não lança foguetes e sublinha que há muita gente que prefere ficar longe das lojas por causa da pandemia. 

No entanto, Muller diz que "há alguns itens que perdemos e outros em que ganhámos um pouco". Acrescenta que "pela primeira vez na vida, acabámos por ter uma venda equilibrada". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.