Escolha as suas informações

Sala de chuto em Esch-sur-Alzette vai abrir as portas em setembro
Luxemburgo 2 2 min. 26.07.2019

Sala de chuto em Esch-sur-Alzette vai abrir as portas em setembro

Sala de chuto em Esch-sur-Alzette vai abrir as portas em setembro

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 2 2 min. 26.07.2019

Sala de chuto em Esch-sur-Alzette vai abrir as portas em setembro

É a segunda sala de consumo assistido de drogas do país.

Em frente a uma estrutura de contentores, em que se lê o nome "Contact Esch", Jean-Nico Pierre, diretor da "Youth Aid Foundation", recordou como continua a ser delicada e frágil a situação dos toxicodependentes no país.

"Há 100 razões pelas quais alguém pode cair por causa de alguém. Mas muitas vezes não há ninguém que nos ajude a levantar", disse Jean-Nico, esta quinta-feira, durante a inauguração da segunda sala de chuto no Luxemburgo: Contact Esch.

Contact Esch
Contact Esch
Foto: Guy Jallay

Situada no número 130 da rue de Luxembourg, em Esh-sur-Alzette, a Contact Esch vai estar operacional em setembro. Numa divisão, foram dispostos seis lugares para injeções e foi ainda pensada uma sala com ventilação para as inalações.

Assim como a Abrigado, a até então única sala de consumo assistido de drogas no Luxemburgo, o objetivo da "Contact Esch" é permitir que o consumo de drogas seja feito de uma forma higiénica e legal. Os toxicodependentes terão acesso a seringas esterilizadas e o consumo de estupefacientes será supervisionado. 

Uma sala para "salvar vidas"

Um terço dos mais de 200 toxicodependentes que frequentavam a Abrigado, em Bonnevoie, vêm do sul do país. Agora, já não vão precisar de se deslocar até à capital, pois a Contact Esch será acessível com as mesmas condições - mas sem espaço para montar tendas no exterior do edifício, como é o caso da Abrigado. Segundo Martina Kap, membro da fundação "Jugend-und Drogenhëllef", a nova sala de chuto deverá ser frequentada por cerca de 50 pessoas por dia.


Em Bonnevoie, a sala de chuto não é um salão de chá
Na guerra contra as drogas, as primeiras vítimas são os toxicodependentes, mas à exceção de Portugal, onde o consumo foi despenalizado, a maioria dos países trata-os como criminosos. No Luxemburgo, na única sala de chuto do país, a abarrotar pelas costuras, há muitos portugueses.

Em frente à estrutura de Esch-sur-Alzette, foi erguida uma grade alta para proteger de olhares indiscretos, mas sobretudo reforçar o sentimento de segurança dos residentes. "Não é como se estivessemos a trazer agora algo para Esch, o problema já lá está", disse Mandy Ragni, vereadora dos assuntos sociais (Déi Greng), salientando que o objetivo desta nova sala de chuto é melhorar a situação dos toxicodependentes.

Desde que abriu as portas em 2015, a Abrigado recebeu 1.800 toxicodependentes, segundo dados do Ministério da Saúde de 2017. Entre 2011 e 2016, o número de visitas duplicou para mais de 57.000, com uma média de cerca de 160 atos de consumo por dia.


Os números da droga no Grão-Ducado
No Luxemburgo, a droga mais consumida é a cannabis, mas a cocaína está em subida. Entre 2011 e 2016, o consumo de drogas matou 50 pessoas no país.

Esta quinta-feira, Alain Origer, coordenador de drogas do Ministério da Saúde, relembrou ainda o número de mortes relacionadas com as drogas no Luxemburgo, em 2018: quatro. "Quatro a mais", reforçou Origer. Mais do que uma sala de chuto, a Contact Esch é uma sala "para salvar vidas", concluiu.


Notícias relacionadas

Cafés de tirar o sono
Esch e Differdange abriram caça aos cafés que alugam quartos insalubres. Por cima dos estabelecimentos, a maioria explorados por portugueses, as autoridades descobriram condições de tirar o sono. Em Differdange há 17 pessoas a partilhar uma só sanita e duche, e quartos com 1,5 m de altura. Em Esch a autarquia teme uma tragédia. A maioria dos cerca de mil hóspedes nestas condições são portugueses recém-chegados ao Luxemburgo a trabalhar na construção: pagam entre 300 a 650 euros para dormir num quarto com mais duas a quatro pessoas, com ou sem alimentação.
Caça aos "vendedores do sono" deixou 13 portugueses na rua
Depois de Esch e Differdange, a capital abriu caça aos cafés que alugam quartos. A autarquia fechou um café na rue de Rollingergrund, deixando 13 portugueses na rua. A ASTI está contra o encerramento compulsivo dos estabelecimentos sem propor alternativas para os inquilinos. "Não podem ser os locatários a pagar pela manifesta penúria de alojamento", acusam.
Sala de chuto de Bonnevoie frequentada por 143 pessoas por dia
A sala de chuto de Bonnevoie é frequentada, em média, por 143 pessoas por dia. No ano passado, foi palco de uma overdose por mês. Os números foram divulgados pelo Ministério da Saúde, à margem de um encontro entre o ministro da tutela, Étienne Schneider, e os dirigentes do Comité Nacional de Defesa Social (CNDS).
Reportagem. Cafés com quartos insalubres na mira da Polícia
Os cafés que arrendam quartos insalubres voltam a estar na mira das autoridades. Desta vez, as hostilidades foram abertas pela Polícia de Esch-sur-Alzette, que na semana passada fiscalizou pelo menos três estabelecimentos da cidade, com funcionários da comuna e do Ministério da Saúde.
Este quarto, com um beliche e cerca de 10 metros quadrados, custa 400 euros por mês