Escolha as suas informações

Rusgas em Wasserbillig: "Esta foi a maior operação dos últimos tempos" - Polícia
Luxemburgo 14 28.10.2015 Do nosso arquivo online

Rusgas em Wasserbillig: "Esta foi a maior operação dos últimos tempos" - Polícia

Luxemburgo 14 28.10.2015 Do nosso arquivo online

Rusgas em Wasserbillig: "Esta foi a maior operação dos últimos tempos" - Polícia

A polícia luxemburguesa faz um balanço positivo da mega-operação anti-droga levada a cabo esta terça-feira em Wasserbillig. A acção policial contra uma rede africana de droga é considerada "a maior dos últimos tempos" e foi um "sucesso".

A polícia luxemburguesa faz um balanço positivo da mega-operação anti-droga levada a cabo esta terça-feira em Wasserbillig. A acção policial contra uma rede africana de droga é considerada "a maior dos últimos tempos" e foi um "sucesso".

"Podemos dizer que a operação em Wasserbillig foi um sucesso. Esta é, sem dúvida, uma das mais importantes acções levadas a cabo pela polícia no Luxemburgo na guerra contra o narcotráfico, com dezasseis detenções", diz o porta-voz da polícia, Vic Reuter.

A investigação ainda está em curso e as autoridades não descartam a detenção de mais suspeitos neste caso, que começou a ser investigado há alguns meses e contou com informações prestadas pela Europol. Uma rede africana de droga estará na origem das investigações.

"As investigações visam claramente desmantelar uma rede de drogas no meio africano, mas é muito cedo para dizer de que países essas pessoas vêm. O que posso confirmar é que apreendemos droga, uma grande soma de dinheiro e uma infinidade de telemóveis", explica Vic Reuter.

Os 16 indivíduos vão ser ouvidos por um juiz de instrução. Depois do interrogatório, caberá ao "Parquet" [Procuradoria] do Luxemburgo decidir qual a acção a tomar.

Cerca de 200 polícias e agentes alfandegários estiveram envolvidos na terça-feira nesta mega-operação na Grand Rue, em Wasserbillig. Várias casas daquela artéria que liga a igreja local e a fronteira alemã foram alvos de rusgas. O bar situado no n° 33 (antigo café Estoril) foi o local onde a polícia esteve mais tempo durante a operação e poderá ser a principal base de apoio dos suspeitos.


Notícias relacionadas