Escolha as suas informações

Risco de pobreza dos imigrantes é quase três vezes superior ao dos luxemburgueses
Luxemburgo 22.02.2019 Do nosso arquivo online

Risco de pobreza dos imigrantes é quase três vezes superior ao dos luxemburgueses

Risco de pobreza dos imigrantes é quase três vezes superior ao dos luxemburgueses

Foto: Marc Wilwert
Luxemburgo 22.02.2019 Do nosso arquivo online

Risco de pobreza dos imigrantes é quase três vezes superior ao dos luxemburgueses

Diana ALVES
Diana ALVES
Tanto no Luxemburgo como no resto da União Europeia (UE), o risco de pobreza afeta sobretudo os imigrantes oriundos de países fora do bloco europeu.

Na União Europeia (UE), 41,2% dos residentes originários de países de fora do bloco estavam em risco de pobreza, em 2017, segundo dados do Eurostat. Trata-se de praticamente o dobro da taxa de pobreza dos residentes oriundos de outros Estados-membros, que é de 21,9%. Já a proporção dos nacionais dos países europeus em risco de pobreza fica nos 15,3%. 

Por cá, a tendência é a mesma, com o flagelo a afetar muito mais os imigrantes do que os luxemburgueses. Cerca de 44% das pessoas originárias de países terceiros que vivem no Grão-Ducado estão em risco de pobreza, uma taxa que desce para os 21% se olharmos para os residentes provenientes de outros países do bloco europeu. A percentagem desce ainda mais no caso dos luxemburgueses, rondando os 12,5%. 


Historiadora brasileira quer guardar as memórias dos imigrantes no Luxemburgo
Em que baú e gavetas os imigrantes guardam as suas memórias? Anita Lucchesi pediu aos estrangeiros que as partilhassem no site "Memorecord", um projeto que reúne "não só aquilo de que nos lembramos mas o que queremos sobretudo lembrar”.

Feitas as contas, e distinguindo entre nacionais e estrangeiros, a taxa de risco de pobreza dos imigrantes é quase três vezes superior à dos luxemburgueses, com 32,7% contra 12,5%. 

De acordo com o gabinete europeu de estatística, a Bélgica é o país com a maior taxa de estrangeiros de fora da UE em risco de pobreza (55,5%), seguindo-se a Espanha (51,5%) e a Croácia (47,9%). Já Hungria (39,8%), Espanha (35,2%) e Grécia (32,1%) são aqueles com as maiores proporções de cidadãos da UE nessa situação. 

No que toca à percentagem de nacionais em dificuldades, os valores mais elevados foram registados na Roménia (21,4%), Grécia (19,6%) e Espanha (18,8%).

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas