Escolha as suas informações

Reportagem. As vítimas na guerra da habitação
Luxemburgo 9 min. 27.09.2018 Do nosso arquivo online

Reportagem. As vítimas na guerra da habitação

Reportagem. As vítimas na guerra da habitação

Cartoon: Florin Balaban
Luxemburgo 9 min. 27.09.2018 Do nosso arquivo online

Reportagem. As vítimas na guerra da habitação

Paula TELO ALVES
Paula TELO ALVES
A falta de regulação do mercado de arrendamento faz proliferar os abusos de proprietários e agências. Na guerra da habitação, os vencidos são os inquilinos.

Prefere manter o anonimato, mas a sua história é igual à de muitas outras pessoas que procuram casa no Luxemburgo. A portuguesa chegou há um mês ao Grão-Ducado, para trabalhar numa empresa que goza de boa reputação no país, com contrato de trabalho indeterminado e salário acima do que a lei exige para trabalhadores qualificados. Apesar disso, algumas agências imobiliárias levantaram dificuldades. “Uma ainda fez um reparo, por causa da cláusula de seis meses [período de experiência], apesar de ser um CDI”, conta. Outra alegou que o salário era baixo – apesar de a renda ser paga a dois, por ela e pelo namorado.

Encontrar um apartamento foi mais duro que a entrevista de emprego. As agências exigiram-lhe cópias do contrato de trabalho, B.I. e folhas de salário. E fizeram-lhe perguntas pessoais que a chocaram. “Mais do que uma perguntou-me se eu estava grávida. Achei inacreditável”. Num dos casos, depois da visita, foi rejeitada por um senhorio português, “sem razão aparente” nem explicações. “Disseram-me só que ele mandou prosseguir com as visitas”, conta.

Quando finalmente encontrou um apartamento disponível – um T1 por 1.300 euros, fora as despesas de aquecimento, de 150 euros –, a agência exigiu-lhe mais cem euros para fazer a vistoria (“état des lieux”), um inventário dos móveis e dos eventuais defeitos do imóvel. Protestou: afinal, para que servia a comissão de agência que ia ser obrigada a pagar, um valor equivalente a um mês de renda? Da agência responderam-lhe que era pegar ou largar. E alegaram que os cem euros “até eram baratos”: haveria agências que cobravam mais. Com medo de não encontrar mais nada, a portuguesa cedeu.

O caso passou-se com a agência New Immo, sediada na capital luxemburguesa. O valor cobrado ficou escrito no contrato de arrendamento assinado pela portuguesa. “O estabelecimento da vistoria [no original, ’état des lieux’] será feito à entrada [no apartamento], como na saída (...), através do pagamento de um montante fixo de 100 euros mais IVA”. Um valor que acresce aos 1.300 euros de comissão de agência (mais IVA a 17%) que a portuguesa também teve de pagar. A este montante ainda há que somar os dois meses de garantia locativa.

O Contacto questionou outras agências a operar no Luxemburgo, fazendo-se passar por uma pessoa amiga de alguém à procura de apartamento, para saber se cobram a realização da vistoria, obrigatória em todos os contratos de arrendamento. Na MKA, responderam que cobram entre 150 a 250 euros pelo ’état des lieux’, dependendo da área do apartamento, mas garantiram que esse valor é pago pelo proprietário. Na Rockenbrod – que a agência em causa apontara como sendo mais cara –, a funcionária hesitou. Começou por dizer que cobram 250 euros pela vistoria, mas que esse valor é pago pelo proprietário. Mas perante as perguntas do Contacto, acabou por admitir que “depende” – da relação com o proprietário e das agências. “Há algumas que o fazem [cobrar a vistoria aos inquilinos], há as que não fazem. Não é uma lei”.

Desregulamentação

“Não é uma lei”, até porque não há lei a regulamentar o que pode ser exigido pelas agências, disse ao Contacto a jurista Aline Rosenbaum, da União Luxemburguesa dos Consumidores (ULC). “É verdade que não é claro, porque o contrato é feito entre o proprietário do apartamento e o agente imobiliário, e é neste contrato que devem ser estabelecidas as missões confiadas ao agente imobiliário. Tradicionalmente, consistem em procurar um candidato para ocupar o bem imóvel (inquilino) e servir de intermediário para concluir o contrato de arrendamento, e isto costuma incluir fazer o inventário (’état des lieux’)”, explicou a jurista.

A ULC não recebeu até agora qualquer queixa por causa do valor extra cobrado pelo inventário, mas tem “imensas por causa do arrendamento”. Em 2017, chegaram à ULC 980 queixas ou pedidos de informação de inquilinos – mais de três por dia. Entre os principais problemas estão tentativas abusivas de pôr fim ao contrato de arrendamento, por parte do senhorio, e problemas na restituição da garantia locativa, no final do contrato. “Na maioria dos casos, o imóvel é restituído em bom estado, e apesar disso não recebem a caução de volta”, explica a jurista.

Mas também chegam à ULC problemas com agências. “Há queixas de inquilinos desiludidos por terem recorrido a uma agência e depois terem contratos de arrendamento com cláusulas que não são conforme à legislação. ’Como é possível? Fui a uma agência, confiei neles, e afinal o contrato tem estas cláusulas’”, conta.

Que as agências defendam os interesses dos proprietários não surpreende, até porque o contrato é feito com eles. Esse é um dos paradoxos no Luxemburgo: apesar de a comissão de agência ser paga pelo inquilino, as agências representam os proprietários, como se vê nos contratos. As cláusulas são feitas à medida destes, segundo os seus interesses e pedidos, e apesar de alguns serem modificados a pedido do locatário – sempre com o acordo do senhorio –, em grande parte dos casos é assinar ou largar. O partido Déi Lénk (“A Esquerda”) propôs que a comissão de agência seja paga pelo proprietário, como acontece na vizinha Bélgica, mas a proposta ficou em águas de bacalhau.

Controlo de rendas não funciona

O contrato de arrendamento é regulado pela Lei de 21 de setembro de 2006 (Loi du 21 septembre 2006 sur le bail à usage d’habitation et modifiant certaines dispositions du Code civil). A lei estabelece o montante máximo de garantia locativa a prestar pelo inquilino (o equivalente a três meses de renda) e as condições em que pode haver despejo. Mas há uma disposição que a maioria das pessoas desconhece: uma cláusula que limita o montante máximo de renda que pode ser exigido.

Tão pouco usada é esta disposição que levou o jornalista Laurent Schmit, do jornal Reporter.lu, a ironizar: “Numa lista das leis menos eficazes, o diploma de 2006 sobre as rendas dos apartamentos estaria entre as dez primeiras. Praticamente ninguém sabe que as rendas são limitadas a um máximo de cinco por cento do capital investido por ano”.

O desconhecimento e a ausência de fiscalização não são os únicos problemas com a lei das rendas. A percentagem de cinco por cento foi estabelecida “de forma arbitrária”, denuncia o jornal. É que, apesar de as rendas no Luxemburgo serem altíssimas, ainda ficam abaixo do valor a que se chegaria recorrendo a esta cláusula. “Para um apartamento de 50 metros quadrados, que o proprietário compre por 500 mil euros, poderia exigir 2.080 euros por mês”, calculou um deputado do DP, em declarações ao Reporter.lu.

O burlesco da situação estende-se à fiscalização. Segundo a lei, os inquilinos podem pedir a redução do valor das rendas às Comissões das Rendas (“Comission des Loyers”), a funcionar nas localidades com mais de seis mil habitantes. Estas são responsáveis por calcular o valor máximo da renda permitido por lei e reduzir o montante pago, caso o preço seja excessivo. Mas são tão poucos os que recorrem a elas que se podem considerar inativas. Entre 2013 e 2017, as comissões da capital trataram entre 13 e 22 pedidos por ano. “É absurdo, tendo em conta que quase metade das famílias na cidade do Luxemburgo vivem em casas arrendadas, segundo o Statec”, denuncia também aquele jornal. Esch-sur-Alzette e Differdange confirmam o ridículo destes números: cinco a sete queixas por ano, segundo dados do mesmo jornal.

Com leis que não são aplicadas e a desregulamentação no setor, a balança continua a pender a favor dos proprietários e agências. Como dizia Lacordaire, “entre o forte o fraco, entre o rico e pobre, entre o patrão e o empregado, a liberdade oprime e a lei liberta”. Podia ter acrescentado “entre o proprietário e o inquilino”. Muitos são forçados a sujeitar-se ao que encontram. “Por causa da falta de alojamento, as pessoas têm tendência a precipitar-se: ’Tínhamos uma lista de pessoas atrás de nós em espera, se não aceitássemos haveria outros que aceitariam’”, conta a jurista da União Luxemburguesa dos Consumidores. Há mesmo quem conheça os seus direitos mas renuncie a exercê-los. “Há pessoas a viver em alojamentos insalubres mas que não ousam sair, porque não sabem para onde ir e se encontrarão um novo alojamento, ou se vão conseguir financiar uma nova garantia locativa e uma nova comissão de agência”, sublinha.

Encontrar casa: missão impossível

Uma semana depois do incêndio na residência onde vivia, em Esch-sur-Alzette, Sarah Gentili garante que as roupas ainda tresandam a queimado. “Até o meu computador cheira a fumo”, diz a estudante luxemburguesa, filha de mãe portuguesa e de pai de origem italiana. A estudante da Universidade do Luxemburgo estava no quarto da residência universitária na rua do Canal quando o alarme de incêndio disparou, e reconhece que ainda está traumatizada. O fogo não provocou vítimas nem danos avultados, tirando os deixados pelo fumo que invadiu o edifício. Sarah mostra fotos do quarto depois do fogo: das paredes aos lençóis, ficou tudo amarelo. A Universidade realojou os estudantes, mantendo o preço que pagavam: 425 euros por mês, por um quarto com cozinha partilhada. Agora, Sarah está num estúdio. “Para um estudante, 425 euros é caro, mas se fosse um contrato normal, pagava mais do dobro”, diz.

Quando acabar o mestrado, esta estudante de Literatura francesa teme ser obrigada a sair do país para conseguir casa. “Toda a gente me aconselha a ir viver para o outro lado da fronteira, por causa dos preços. Mas não devia ser preciso deixar o país. Eu quero mesmo viver aqui, adoro o Luxemburgo”.

Cidália Fonseca também já pensou em deixar o país e voltar para Portugal. Desde que o senhorio da casa onde vive há dez anos vendeu o apartamento, em Ettelbruck, não consegue encontrar nova morada. “Ando nisto desde abril, e quando não me dizem ’não’ na cara, telefonam-me da agência a dizer que não”, conta ao Contacto. O problema, segundo a imigrante de 50 anos, é o trabalho: é assistente parental e todos os dias tem crianças em casa. “Quando voltei de férias ligaram-me de uma agência a dizer que afinal não podia ser, porque eu guardava crianças. Falei diretamente com o proprietário, era luxemburguês, e ele ainda teve a lata de me dizer que se fossem cães ainda concordava, agora crianças, não”. Revoltada, Cidália começa a chorar. Tem um rendimento acima da média e nem assim consegue encontrar casa. “Já fui falar com o burgomestre, já fui falar com a assistente social, e ela disse que não me pode pôr na lista porque eu trabalho”, queixa-se. “Não é justo porem animais à frente de crianças. Pago os impostos, pago a renda, dá a sensação que é um trabalho ilegal”. Direito à habitação é que, para já, Cidália não parece ter, e com ela milhares de pessoas.

Paula Telo Alves


Notícias relacionadas

Os portugueses que vivem no Foyer de Mühlenbach, um alojamento social no Luxemburgo para imigrantes com dificuldades económicas, vão ter de sair para dar lugar a refugiados. As primeiras famílias chegaram na quarta-feira ao edifício construído nos anos 70 para acolher a primeira vaga de imigração portuguesa. Na residência, há casos de portugueses em situação precária.
No Foyer vivem cerca de 90 portugueses, a maioria a trabalhar no sector da construção