Escolha as suas informações

Conheça as medidas sanitárias nas escolas luxemburguesas
Luxemburgo 2 min. 14.09.2021
Rentrée escolar

Conheça as medidas sanitárias nas escolas luxemburguesas

Rentrée escolar

Conheça as medidas sanitárias nas escolas luxemburguesas

Foto: Guy Wolff/Luxemburger Wort
Luxemburgo 2 min. 14.09.2021
Rentrée escolar

Conheça as medidas sanitárias nas escolas luxemburguesas

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Sem máscara e mais testes de rastreio à covid-19 para alunos e professores. Será assim o novo ano escolar que arranca esta quarta-feira no Luxemburgo.

O ano letivo começa esta quarta-feira, 15 de setembro, e são esperados quase 109.000 alunos e mais de 11.000 professores nos estabelecimentos de ensino do Grão-Ducado, de acordo com o Ministério da Educação.

À semelhança do ano letivo anterior, as medidas covid-19 vão continuar a fazer parte da vida diária das escolas, mas desta vez serão menos rígidas.

Com grande parte da comunidade escolar vacinada (cerca de 90% dos professores estão totalmente vacinados e 55% dos jovens entre os 12 e os 18 anos também), as medidas em vigor para o regresso às aulas assentam em duas grandes novidades: a máscara deixa de ser obrigatória (contudo, mantêm-se obrigatória em todas as atividades com mais de 10 alunos), e tanto alunos como professores serão testados duas vezes por semana. As crianças do ensino fundamental farão os testes na escola e os jovens do secundário podem fazer um destes testes em casa. 


Escolaridade obrigatória no Grão-Ducado estendida até aos 18 anos
Medida anunciada esta segunda-feira pelo ministro da Educação pretende combater o abandono escolar, que tem atualmente uma taxa "muito elevada".

"Não há obrigatoriedade de máscara, mas cada aluno é livre e se desejar manter a máscara pode fazê-lo, se sentir mais seguro", reiterou o ministro da Educação, Claude Meisch, salvaguardando que as crianças e jovens poderão escolher a opção com que se sentirem mais seguros. 

Princípio 3G: vacinados, recuperados ou testados

Na eventualidade de surgirem casos positivos nas turmas, o Ministério da Educação tem delineadas medidas de ação. O Covidcheck não vai ser obrigatório nas escolas, mas o princípio em vigor nestes estabelecimentos é o mesmo. "No momento em que o vírus esteja presente numa sala, o ensino passará pelo regime de 3G: escolas e 'maison relais' funcionarão para os alunos vacinados, testados ou já recuperados de infeção. Os não vacinados serão testados todas as 48 horas na escola", detalhou o ministro da Educação. Os alunos não vacinados que não queiram ser testados terão de cumprir uma quarentena. 


Professores não vacinados ficam em casa quando houver mais de dois casos numa turma
Ministério da Educação explica ao Contacto as medidas para os docentes que ainda não têm vacina contra a covid-19 no novo ano escolar.

Também para os professores não vacinados - ainda que representem apenas 10% do total de docentes - haverá medidas especiais caso surjam casos de infeção na turma. 

"Se surgir um caso positivo na turma (cenário 1) a inspeção sanitária irá avaliar a situação para determinar se o professor [não vacinado] será ou não colocado em quarentena" em casa, explicou ao Contacto fonte do Ministério da Educação. 

"A partir do momento em que haja dois ou mais casos positivos (cenários 2,3,e 4) o professor é automaticamente colocado em quarentena, sem permissão para sair", de casa. 

Apesar de todas as precauções, o ministro da Educação deixou claro que "se a situação pandémica assim o exigir, as escolas podem ser obrigadas a fechar de novo". Mas este é um cenário a evitar a todo o custo. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas