Escolha as suas informações

Relações económicas marcam a visita do Presidente de Cabo Verde ao Luxemburgo
Jorge Carlos Fonseca recebeu o Grão-Duque Henri em 2015, em Cabo Verde. Em maio de 2019, será a vez de o soberano receber o Presidente cabo-verdiano.

Relações económicas marcam a visita do Presidente de Cabo Verde ao Luxemburgo

Foto: Pierre Matge
Jorge Carlos Fonseca recebeu o Grão-Duque Henri em 2015, em Cabo Verde. Em maio de 2019, será a vez de o soberano receber o Presidente cabo-verdiano.
Luxemburgo 2 min. 09.04.2019

Relações económicas marcam a visita do Presidente de Cabo Verde ao Luxemburgo

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
O esperado encontro com a comunidade cabo-verdiana vai ser no dia 9 de maio, feriado, no centro cultural Alen Tramsschapp, em Limpertsberg, na capital.

A próxima visita de trabalho do Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, ao Luxemburgo, a convite do Grão-Duque Henri, vai ter uma forte componente económica.

A visita arranca no dia 7 de maio e vai durar três dias (7, 8 e 9 de maio). O ponto alto será a organização de um fórum económico, como referiu à Rádio Latina o embaixador do arquipélago no Grão-Ducado, Carlos Semedo.

Jorge Carlos Fonseca vai ser recebido com honras de Estado, no dia 7 de maio, em frente ao Palácio Grão-Ducal.

O embaixador Carlos Semedo sublinha a relação de "excelência" entre os dois países, que vai ser agora reforçada com esta visita.

Jorge Carlos Fonseca marca encontro com a comunidade cabo-verdiana, na quinta-feira, dia 9 de maio, feriado no Luxemburgo para celebrar a União Europeia. Um novo dia feriado que se assinala pela primeira vez este ano. O encontro está marcado para às 14h30, no Centro Cultural Alen Tramsschapp (Rue Ermesinde, n° 45), em Limpertsberg, na capital.

Jorge Carlos Fonseca terá também reuniões com primeiro-ministro, Xavier Bettel, e com o presidente da Câmara dos Deputados, Fernand Etgen.

Foto: Pierre Matge

Antes desta visita, o Grão-Duque Henri esteve em Cabo Verde, pela primeira e única vez, em 2015. Dois anos antes, em 2013, o Presidente de Cabo Verde visitou o Luxemburgo, enquanto chefe de Estado.

Numa entrevista em julho do ano passado, Jorge Carlos Fonseca disse esperar que o arquipélago possa vir a “retribuir” ao Luxemburgo o apoio que tem recebido, reconhecendo o contributo do Grão-Ducado no desenvolvimento do país.

“Estamos e estaremos sempre muito gratos ao Luxemburgo pela ajuda que nos tem dado. Espero que, um dia, Cabo Verde possa estar em condições de, em certa medida, poder retribuir o que o país fez pelo povo de Cabo Verde”, disse Jorge Carlos Fonseca, depois de questionado sobre o fim da ajuda ao desenvolvimento do Grão-Ducado a Cabo Verde, previsto para os próximos 20 anos.

“Se daqui a 20 anos o Luxemburgo se retirar, isto significa que a ajuda que nos deu e ainda continua a dar foi de grande utilidade para o meu país e para as suas populações. Certamente terá contribuído de forma indelével para a diminuição da pobreza que ainda existe no país”, afirmou o chefe de Estado, acrescentando que acredita, no entanto, que “Cabo Verde e o Luxemburgo têm todas as condições para continuarem com essa relação ímpar”, que poderá ser num “modelo diferente”.


Notícias relacionadas

Até sábado: Ministro cabo-verdiano no Luxemburgo para falar de relações UE/Cabo Verde
O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde encontra-se desde quinta e até sábado no Luxemburgo para reuniões com representantes do Governo luxemburguês. Luís Filipe Tavares traz na agenda o reforço da parceria especial entre Cabo Verde e a União Europeia e as relações bilaterais com o Grão-Ducado. No sábado, vai haver também um encontro com dirigentes associativos.
Luis Filipe Tavares
Bettel fez visita guiada ao primeiro-ministro de Cabo Verde que terminou no Palácio... da China
Na última visita ao Luxemburgo de José Maria Neves enquanto primeiro-ministro, Xavier Bettel recebeu o governante cabo-verdiano como se recebem os amigos. O protocolo deu lugar à informalidade e o primeiro-ministro luxemburguês fez mesmo de cicerone ao seu homólogo cabo-verdiano, numa visita guiada à capital em passo de corrida, "para abrir o apetite" para o almoço oferecido por Bettel num restaurante chinês.