Escolha as suas informações

Regulador luxemburguês apela à consciência na economia de energia
Luxemburgo 02.03.2020 Do nosso arquivo online

Regulador luxemburguês apela à consciência na economia de energia

Regulador luxemburguês apela à consciência na economia de energia

Foto: DR
Luxemburgo 02.03.2020 Do nosso arquivo online

Regulador luxemburguês apela à consciência na economia de energia

Ana B. Carvalho
Ana B. Carvalho
Apenas uma em cada seis famílias efectua uma comparação de preços antes de escolher um fornecedor de electricidade ou de gás.

O Instituto Regulador Luxemburguês (ILR) - que regula sectores que incluem a electricidade e o gás natural - lançou esta segunda-feira um apelo ao cliente para que este se torne mais conhecedor dos seus fornecedores de energia, avançou o Luxembourg Times. 

Segundo o estudo apresentado, apenas um em cada cinco lares luxemburgueses pode nomear o seu fornecedor de energia, e mais de metade não sabe como mudar de fornecedor, o que "estará na origem da falta de concorrência no mercado".

Para a realização desta análise, o regulador estudou 1.212 residências entre setembro e outubro de 2019. Segundo o instituto, apenas uma em cada seis famílias efectua uma comparação de preços antes de se inscrever num fornecedor de electricidade ou de gás.

Um terço das pessoas nem sequer verifica as suas contas antes de pagar, cita o Luxembourg times. Cerca de 80% dos entrevistados disseram que apoiariam mais concorrência no mercado de energia, mas o ILR disse que não havia muitas hipóteses de isso acontecer, uma vez que metade dos consumidores indicam que simplesmente confiam no seu fornecedor, sem saberem como mudar para outro.

Segundo o regulador, os fornecedores de energia poderiam fazer mais para incentivar os clientes a mudar os seus hábitos de consumo, disponibilizando  tarifas diferentes para o consumo de eletricidade  em diferentes partes do dia, por exemplo. Como consequência, os clientes poderiam economizar as contas ao final do mês e as redes de fornecimento poderiam ser aliviadas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas