Escolha as suas informações

Quando os indispensáveis se tornam descartáveis
Editorial Luxemburgo 3 min. 28.10.2020

Quando os indispensáveis se tornam descartáveis

Quando os indispensáveis se tornam descartáveis

Editorial Luxemburgo 3 min. 28.10.2020

Quando os indispensáveis se tornam descartáveis

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
Os migrantes têm maior probabilidade de contrair a covid-19 que os nascidos no Luxemburgo. A muitas outras formas de discriminação junta-se, agora, a de uma maior vulnerabilidade à covid-19.

Com a ameaça do crescimento exponencial da pandemia, a estender-se também ao Luxemburgo, fica o alerta dos investigadores: é preciso cumprir todas regras para evitar que o aumento de contágios provoque um colapso do sistema de saúde do Grão-Ducado. 

Nesta edição publicamos também as conclusões inquietantes de um relatório da OCDE sobre migrações. O estudo revela que os cidadãos nacionais correm menos risco de apanhar a covid-19 que os migrantes. Os migrantes têm maior probabilidade de contrair a covid-19 que os nascidos no Luxemburgo. A muitas outras formas de discriminação junta-se, agora, a de uma maior vulnerabilidade à covid-19. 

"Os migrantes estão altamente expostos aos impactos da pandemia, pelo facto de estarem a trabalhar na linha da frente", revela o relatório da OCDE "International Migration Outlook 2020" que acaba de ser divulgado. Porque são muitos os migrantes que asseguram atividades indispensáveis para que a sociedade continue a funcionar, em tempos de pandemia. E que não podem ser desempenhadas em teletrabalho.

Só no setor da saúde, mais de metade dos médicos (55%) que trabalha no Grão-Ducado nasceu no estrangeiro, assim como um em cada três enfermeiros. Os migrantes são uma força de trabalho essencial à construção da sociedade luxemburguesa como reconhece o Governo. "O Luxemburgo não seria o país que é sem os imigrantes portugueses", afirmou recentemente o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, no âmbito de uma visita de trabalho a Portugal. 

Dias depois, o mesmo governante luxemburguês, afirmou que se deveriam obrigar os Estados-membros da União Europeia a acolher os migrantes. Asselborn afirmou que a UE vai continuar a ser impactada por mais crises migratórias, daí ser necessário que o novo pacto europeu sobre esta matéria tenha um "instrumento" que torne o acolhimento de migrantes "obrigatório", caso contrário, não vai funcionar.

Mas o relatório da OCDE lança o alerta: a covid 19 está a colocar em risco as migrações e o progresso na integração dos migrantes. Só nos primeiros seis meses deste ano, o número de vistos e autorizações atribuídos caiu para quase metade (46%). É a maior queda alguma vez registada. E os números não vão ficar por aqui. A OCDE prevê que a quebra atinja os 72% até ao final do ano. E nada deverá voltar a ser como antes. 

"Há fortes sinais que a mobilidade dos migrantes não voltará aos níveis anteriores à pandemia", pode ler-se no documento. Diminuição da procura por parte dos empregadores, fortes restrições na circulação, generalização do teletrabalho nas profissões mais qualificadas e ensino à distância são alguns dos fatores que explicam esta realidade. Mas a sociedade europeia não pode dispensar a contribuição essencial dos migrantes.

"Os migrantes continuam a desempenhar um papel económico importante para o crescimento económico e inovação, assim como a responder rapidamente às mudanças dos mercados de trabalho", sublinhou o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, no lançamento do relatório. Agora é urgente assegurar a integração efetiva destes migrantes nos países de acolhimento.

Amigos improváveis

Uma amizade improvável que atravessa continentes é o destaque desta semana do Contacto. O jornalistas Ricardo J. Rodrigues descobriu o melhor amigo da adolescência do Presidente da Coreia do Norte. É um emigrante português, cresceram juntos até aos 16 na Suíça e reencontraram-se adultos em Pyongyang. João Micaelo, cozinheiro português é o melhor amigo de King Jong-un.

Na edição desta semana falamos também do risco do crescimento exponencial da covid-19 no Luxemburgo. Traçamos um quadro das recentes medidas aprovadas pelo Governo e publicamos as conclusões de um relatório do Research Luxembourg que alerta que se poderão atingir os 1.400 casos diários nas próximas semanas, no Luxemburgo. Para que o sistema de saúde não entre em colapso, avisam os investigadores, é essencial cumprir à risca todas as regras.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Portugal recebeu cerca de 40 mil novos imigrantes em 2017
O relatório da OCDE destaca ainda que Portugal manteve em 2019 a política de regresso dos emigrantes lusos, realçando que, qualquer um que tenha vivido pelo menos três anos no estrangeiro, possa regressar ao país entre janeiro deste ano e dezembro de 2020 beneficiando de um desconto de 50% nos impostos até 2023.
Bruxelas alerta para falhas no sistema de saúde luxemburguês
O sistema público de saúde do Luxemburgo é amplo e inclusivo, mas há ainda parte da população que não tem rede de segurança quando os problemas de saúde batem à porta. O número é considerado baixo, mas é uma das fragilidades apontadas pela Comissão Europeia no relatório sobre as desigualdades no acesso aos cuidados de saúde.