Escolha as suas informações

Professores "indignados" por não terem sido convidados para inauguração do Instituto Camões
Luxemburgo 2 min. 14.03.2016 Do nosso arquivo online

Professores "indignados" por não terem sido convidados para inauguração do Instituto Camões

Professores "indignados" por não terem sido convidados para inauguração do Instituto Camões

Foto: Manuel Dias
Luxemburgo 2 min. 14.03.2016 Do nosso arquivo online

Professores "indignados" por não terem sido convidados para inauguração do Instituto Camões

O secretário-geral do Sindicato dos Professores no Estrangeiro acusa o embaixador de os ter ignorado de "forma elitista", e já se queixou à presidente do IC, Ana Paula Laborinho, que tutela o ensino de Português no estrangeiro, e ao secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Os professores de língua e cultura portuguesa estão "indignados" por não terem recebido convite para a inauguração das novas instalações do Instituto Camões (IC) no Luxemburgo, na passada quarta-feira. O secretário-geral do Sindicato dos Professores no Estrangeiro acusa o embaixador de os ter ignorado de "forma elitista", e já se queixou à presidente do IC, Ana Paula Laborinho, que tutela o ensino de Português no estrangeiro, e ao secretário de Estado das Comunidades Portuguesas (SECP).

"É uma atitude que reputamos inqualificável por parte do senhor embaixador e que deixa uma grande indignação entre os professores. As pessoas estão indignadas e têm razão para tal", disse ao CONTACTO o responsável sindical. "O embaixador pura e simplesmente ignorou-nos, de uma forma elitista", acusou, considerando que "os professores deviam lá estar por direito próprio", pelo trabalho que fazem para promover a língua.

"O Centro Cultural Português é uma organização de referência para a cultura portuguesa e os professores são aqueles que mais fazem pela promoção da língua", defende o dirigente sindical, que lamenta "a falta de respeito e reconhecimento" pelo trabalho dos docentes que o gesto traduz. "Todos os dias batalhamos para alimentar os cursos de Português e para conseguir novos alunos, e não era pelo pastel nem pelo canapé, até porque muitos não poderiam ir à inauguração por causa das aulas", sublinha.

O responsável sindical diz que não percebe por que razão os 26 professores de Português ficaram de fora da lista dos convidados para a cerimónia em que estiveram o primeiro-ministro do Luxemburgo e a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros, tanto mais que o convite – criado pelo designer Eduardo Aires – lhes foi mostrado em Fevereiro durante um encontro com o SECP e a presidente do IC, na Embaixada de Portugal no Luxemburgo. "A presidente do Instituto Camões fez questão de nos mostrar o convite, e referiu que todos os professores o iam receber, mas fomos pura e simplesmente ignorados", lamenta Carlos Pato.

O secretário-geral do SPE diz que os professores ficaram "indignados" e já apresentou queixa ao Instituto Camões, que tutela desde 2010 o ensino de português no estrangeiro, e ao secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

Contactado por este jornal, o embaixador de Portugal no Luxemburgo, Carlos Pereira Marques, recusou fazer comentários sobre o caso.

A inauguração da nova casa do IC contou com várias personalidades da vida política do Luxemburgo, incluindo o primeiro-ministro e o ministro da Justiça, o luso-descendente Félix Braz, além do secretário de Estado da Cultura, Guy Arendt. Na cerimónia que assinalou a abertura das novas instalações, um projecto do arquitecto luso-descendente Jean-Paul Carvalho com 'design' de Eduardo Aires, premiado com o European Design Award em 2015, estiveram cerca de 200 pessoas.

A criação do Centro Cultural Português, em Maio de 1999, teve o apoio do Governo do Luxemburgo, que comparticipa desde então o pagamento da renda. A mudança para um local com mais visibilidade era uma aspiração antiga do governo português, já que as anteriores instalações estavam situadas num primeiro andar.

P.T.A.


Notícias relacionadas

Inauguração do Instituto Camões no Luxemburgo
O PCP questionou hoje o Governo sobre o caso dos docentes que não foram convidados para a inauguração das novas instalações do Instituto Camões no Luxemburgo, uma situação que foi denunciada pelo Sindicato dos Professores no Estrangeiro (SPE) mas que os professores consideram ultrapassada.