Escolha as suas informações

Produção no setor da construção com tendência a abrandar
Luxemburgo 09.12.2019 Do nosso arquivo online

Produção no setor da construção com tendência a abrandar

Produção no setor da construção com tendência a abrandar

Foto: Guy Wolff
Luxemburgo 09.12.2019 Do nosso arquivo online

Produção no setor da construção com tendência a abrandar

Diana ALVES
Diana ALVES
No seu último boletim de conjuntura, o STATEC descreve como “tímida” a evolução no setor.

Parece impossível dar um passo na cidade do Luxemburgo sem tropeçar num estaleiro, mas isso não quer dizer que a atividade no ramo da construção esteja melhor do que nunca.

No seu último boletim de conjuntura, o STATEC descreve como “tímida” a evolução no setor.

Depois dos bons resultados alcançados em 2018, a produção no setor da construção está a registar um ligeiro abrandamento.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (STATEC), nos primeiros oito meses de 2019 a produção no setor cresceu apenas 1%, abaixo dos 3,5% registados no mesmo período do ano passado.

O abrandamento da atividade reflete-se também ao nível do emprego.

No primeiro trimestre do ano o aumento do número de trabalhadores na construção superou os 4% em termos homólogos, ao passo que em julho ficou-se pelos 3,4%.

Já no que toca às autorizações de construção, o cenário é o mesmo. O número caiu 17% no primeiro trimestre deste ano.

A situação é mais vincada no que toca à construção de imóveis não residenciais.

Outro problema, que não é novo, diz respeito à falta de mão de obra.

De acordo com os especialistas do STATEC, os empresários do setor queixam-se cada vez mais da dificuldades de recrutar operários, sublinhando, aliás, que a penúria de mão de obra é o maior obstáculo da sua atividade


Notícias relacionadas

STATEC: Emprego no sector financeiro cresce 3,1%
A praça financeira luxemburguesa emprega atualmente 46.800 pessoas, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (STATEC), referentes ao primeiro trimestre deste ano. O número traduz um crescimento de 3,1%, face a igual período de 2016.