Escolha as suas informações

Próximo Presidente dos Estados Unidos pode ser conhecido já nas próximas horas
Luxemburgo 10 3 min. 05.11.2020

Próximo Presidente dos Estados Unidos pode ser conhecido já nas próximas horas

Próximo Presidente dos Estados Unidos pode ser conhecido já nas próximas horas

AFP
Luxemburgo 10 3 min. 05.11.2020

Próximo Presidente dos Estados Unidos pode ser conhecido já nas próximas horas

Lusa
Lusa
Joe Biden, só precisa vencer um ou dois dos últimos estados-chave ainda em contagem para se tornar presidente. E Geórgia e Nevada esperam terminar a contagem dos votos ainda hoje. Os resultados do Arizona e Pensilvânia podem sair sexta-feira.

Os norte-americanos podem ficar a saber rapidamente o nome do próximo Presidente, sendo esperados para breve os resultados nos estados que o democrata Biden precisa para garantir a derrota do republicano Trump, segundo a diretora de campanha de Biden.

"Acho que será um dia muito positivo para Biden", disse a diretora de campanha democrata Jennifer O'Malley Dillon.

São quatro os estados ainda em aberto e que podem ser decisivos, com Geórgia e Nevada a poderem terminar a contagem dos votos ainda hoje e Arizona e Pensilvânia a prometerem resultados finais para sexta-feira ou mesmo só para os dias seguintes.

"Biden será o próximo Presidente"

“Estamos absolutamente certos de que Joe Biden será o próximo Presidente dos Estados Unidos”, acrescentou O’Malley Dillon, explicando que está a contar com resultados decisivos nas próximas horas ou na sexta-feira.

Do lado republicano, Donald Trump usou a sua conta pessoal na rede social Twitter para denunciar o que considera ser uma “fraude eleitoral”, em particular a forma como estão a ser aceites e contados os votos por correspondência.


Joe Biden dirige-se aos norte-americanos confiante na vitória
Numa breve declaração sublinhou que os norte-americanos "mostraram ontem a força da democracia".

“Parem de contar!”, escreveu Trump no Twitter, em consonância com o alerta que tem vindo a fazer nos últimos dias, dizendo que os republicanos não estão a conseguir controlar a contagem de votos de forma transparente em vários estados, nomeadamente nos quatro estados que serão decisivos.

Joe Biden, vice-Presidente nos dois mandatos de Barack Obama, só precisa vencer um ou dois dos últimos estados-chave ainda em contagem para se tornar o 46º presidente americano.

Com 264 votos eleitorais já garantidos, só precisa de mais seis, que é exatamente o número de delegados que o Nevada lhe pode fornecer ou então superar o número com vitórias na Geórgia (16) ou Pensilvânia (20).

A sua desvantagem relativamente a Trump tem vindo a diminuir, nas últimas horas, à medida que são contados os votos por correio, que beneficiam a candidatura democrata.

Apoiantes de Trump saem à rua

Nos estados onde Trump está a perder para Biden, os apoiantes republicanos têm saído à rua, pedindo que a votação seja travada e denunciando a forma como os votos estão a ser contados.

O Presidente republicano avisou logo na noite eleitoral que iria recorrer ao Supremo Tribunal para contestar o resultado das eleições e uma bateria de mais de 400 juristas está a colocar várias ações judiciais em diferentes estados, para tentar impugnar o processo eleitoral.


Asselborn
Eleições/EUA: “Se os votos por correspondência forem contados, ainda há hipóteses”, diz Asselborn
“Se os votos por correspondência forem contados, ainda há uma pequena hipótese”. São palavras do ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, que, esta manhã, em entrevista à RTL, comentou as eleições norte-americanas, que opõem o democrata Joe Biden ao republicano Donald Trump.

“Todos os estados recentemente reivindicados por Biden serão levados a tribunal por nós, por fraude eleitoral", escreveu já hoje Trump, no Twitter.

Os democratas acreditam que as queixas são infundadas, mas dependendo das decisões de vários juízes estaduais e municipais, os recursos podem atrasar a formalização dos resultados, por dias ou semanas.

Decisões opostas de juízes

Na Geórgia, um juiz já indeferiu um pedido para travar a contagem de votos por correspondência, feito pela candidatura de Trump, mas na Pensilvânia um outro juiz já ordenou que observadores republicanos fossem autorizados a entrar no centro de convenções de Filadélfia, onde os boletins de voto estão a ser contados.


Protestos pela contagem de votos levam apoiantes de Trump e Biden às ruas nos EUA
Apoiantes do Presidente norte-americano, Donald Trump, concentraram-se em frente a mesas de voto, exigindo o fim da contagem, enquanto milhares de manifestantes saíram às ruas em várias cidades para reclamar que todos os boletins sejam contados.

A equipa de Trump insiste em que nada está perdido.

“Provavelmente amanhã à noite, sexta-feira, será evidente para os americanos que o Presidente Trump e o vice-Presidente Pence vão ficar mais quatro anos na Casa Branca”, disse o conselheiro presidencial Jason Miller, em declarações aos jornalistas.

Comentários do estrangeiro

No estrangeiro, as polémicas eleitorais nos EUA estão a ser acompanhadas com interesse e, em alguns casos, com ironia.

“Que espetáculo!”, comentou Hassan Rohani, Presidente do Irão, um país que está num duro conflito há vários anos.

Na Rússia, o Kremlin também já comentou as “evidentes deficiências” do “arcaico” sistema eleitoral norte-americano.

RJP // EL

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Trump diz que deixará a Casa Branca
O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que deixará a Casa Branca se a vitória presidencial de Joe Biden for oficialmente confirmada, apesar de reiterar que não admite a própria derrota e convocar um comício para exibir "as provas da fraude".
Trump pede dinheiro para tentar "impugnar" as eleições
Apesar de não haver quaisquer indícios de fraude eleitoral, Trump tem insistido em contestar os resultados, depois ter lançado suspeições durante vários meses sobre a legitimidade do resultado final das eleições, alegando não ter confiança nos votos por correspondência, que este ano bateram recordes, com mais de 100 milhões de eleitores a escolherem esta opção, muito por causa da pandemia.
Trump não aceita derrota e garante lutar em tribunal
O Presidente dos EUA, Donald Trump, acusou o candidato democrata Joe Biden de "precipitação" ao anunciar que é o vencedor das eleições e promete apresentar contestações legais às projeções da imprensa norte-americana que concedem a vitória a Biden.