Escolha as suas informações

Portugueses excelentíssimos
Editorial Luxemburgo 2 min. 12.02.2020 Do nosso arquivo online

Portugueses excelentíssimos

Portugueses excelentíssimos

Ilustração: Florin Balaban
Editorial Luxemburgo 2 min. 12.02.2020 Do nosso arquivo online

Portugueses excelentíssimos

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
Horta Osório e António Simões são os dois portugueses falados para liderar o HSBC, um dos maiores bancos do mundo.

 É considerado o 3° maior banco do mundo. Com um valor estimado que ultrapassa os 2,4 biliões de euros, o HSBC vai ter um novo CEO. Entre os nomes mais falados para liderar esta mega banco estão dois portugueses: António Horta Osório, que lidera o Lloyds Bank, e António Simões, que gere a operação europeia do HSBC. Também no setor automóvel, Carlos Tavares lidera o 4° maior grupo automóvel do planeta, que resultou da fusão da Fiat Chrysler com o grupo francês PSA, fabricante da Peugeot.

Os gestores da diáspora portuguesa marcam pontos em vários setores de atividade um pouco por todo o planeta. É também um português, David Simas, que dirige a Fundação Obama que angaria mais de 200 milhões de euros por ano. Depois há a portuguesa Inês Caldeira, a executiva que dirige a operação da L’Oréal na Tailândia, uma empresa com um rendimento anual de 40 mil milhões de euros. António Guterres é secretário-geral das Nações Unidas.

A comunidade da diáspora tem milhões de portugueses nos quatro cantos do mundo que se destacam nas suas áreas de atividade. Merecem, como todos os outros, ser bem acolhidos.

Mas esta edição do Contacto revela o contrário: exemplos de como os portugueses não devem ser tratados. É também para contar a história deles que o jornalismo existe, e, esta semana, trazemos-lhe relatos na primeira pessoa de quem foi burlado por anúncios falsos de arrendamento no Luxemburgo. Há muito a fazer para regular o mercado imobiliário numa capital europeia onde é difícil conseguir uma casa para alugar.

Nas nossas páginas pode ainda ler como a tempestade Ciara afetou o Luxemburgo. Um relato de dois repórteres do Contacto que percorreram o país para conhecer os efeitos da tempestade. Encontraram um cenário que revela que os bombeiros e as forças de segurança funcionaram na resposta à intempérie que deixou um rasto de destruição nalguns dos países europeus por onde passou.

Como um furacão foi o efeito deixado pela divulgação do relatório Waringo na gestão da monarquia luxemburguesa. Xavier Bettel veio exigir mais transparência e anunciar medidas de supervisão. Neste edição revelamos como funciona a corte e o que aponta o relatório que veio abalar a monarquia luxemburguesa.

Para que a humanidade nunca se esqueça, o Contacto apoia duas exposições que inauguram, em breve, e que mostram o que foi a vida dos judeus no Holocausto. A propósito destas exposições entrevistámos duas sobreviventes do nazismo, com mais de 90 anos, que se reencontraram no Luxemburgo e que nos contam como o nazismo marcou as suas vidas . Duas exposições a não perder. 


Notícias relacionadas

António Gamito, novo embaixador de Portugal: "Votar nas comunais já é um passo importante"
Recém-chegado ao Grão-Ducado, mas com muita experiência internacional, António Gamito não considera que o voto nas legislativas para os estrangeiros seja um tema do momento. Quanto à questão da indexação salarial para os funcionários, refere que vai “tentar resolver com Lisboa”. E, além da proximidade que pretende manter com a comunidade portuguesa, vem preparado para reforçar o relacionamento bilateral.
Editorial: Que idade tem a comunidade portuguesa?
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo
Trabalhadores recrutados em Portugal acabam explorados em obras no Luxemburgo
Há portugueses recrutados por empresas de construção em Portugal para trabalhar no Luxemburgo que acabam a ser explorados. Recebem salários muito abaixo do mínimo luxemburguês e trabalham domingos e feriados. Sem conhecerem o país nem a língua, são poucos os que apresentam queixa, diz o 
sindicato LCGB.