Escolha as suas informações

Portugal Expo recebeu sete mil visitantes
Luxemburgo 10 3 min. 22.04.2018 Do nosso arquivo online

Portugal Expo recebeu sete mil visitantes

Portugal Expo recebeu sete mil visitantes

Foto: Vasco Santos
Luxemburgo 10 3 min. 22.04.2018 Do nosso arquivo online

Portugal Expo recebeu sete mil visitantes

Vanessa CASTANHEIRA
Vanessa CASTANHEIRA
A Portugal Expo, a feira anual de promoção de produtos e serviços portugueses, organizada pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Luxemburguesa (CCILL), recebeu sete mil visitantes durante o fim-de-semana, um número que ficou aquém das expetativas, mas que Alexandre Bray, membro do comité de direção, justifica pelo bom tempo que se fez sentir no país e que afastou as pessoas do espaço em prol do ar livre.

O parque de exposições The Box, antiga Luxexpo, em Kirchberg, acolheu a segunda edição da Portugal Expo, uma feira que tem o objetivo de promover e aumentar as exportações portuguesas. A Portugal Expo é a única feira dedicada só a produtos e serviços portugueses. "Temos muitos portugueses, mas também franceses, belgas e luxemburgueses", disse, ao Contacto, Alexandre Bray, elemento da organização. Foram cerca de 60 expositores que marcaram presença nesta edição, o que revela um crescimento do certame.

Estiveram presentes empresas do setor imobiliário e mobiliário, joalharia, cerâmica, artigos de luxo, alimentação,  bebidas e turismo. Aliás, a ausência do Turismo de Portugal (TP) foi bastante notada. Alexandre Bray garante que o TP recusou o convite. "Mais uma vez notou-se essa ausência, o que obrigou a organização a desdobrar-se em explicações e pedidos de desculpa dos visitantes que questionaram a situação", explicou o responsável.

Se o TP não se fez representar, a região do Algarve juntou uma comitiva de turismo e imobiliário que se mostrou muito satisfeita. Ana Paula, uma das representantes da região e ligada ao turismo habitacional, garantiu que a procura e o interesse dos estrangeiros pela região foi muita e faz um balanço positivo da feira. "Basicamente procuram mais investimento em férias e aluguer de casa", garantindo ainda que "vão ser feitos negócios devido a esta representação".

Mas nem só de empresas oriundas de Portugal vive a Portugal Expo. Aproximadamente 12 empresas sediadas no Luxemburgo e que comercializam bens e serviços portugueses fizeram-se representar. Um número que não satisfaz a organização. Para Alexandre Bray, "o mercado fechado não funciona" e os empresários já instalados no Luxemburgo devem "mostrar-se juntar-se da Câmara e não temer a concorrência", porque só assim se podem criar melhores condições e oportunidades de negócio.

Questionado sobre a importância deste género de eventos, Alexandre Bray garante que "pretende-se mostrar o que de melhor se faz em Portugal" num mercado em crescimento. Esta é uma forma de as empresas exportadoras se mostrarem, atingindo o consumidor final ao mesmo tempo que estabelecem contactos profissionais.

O Contacto falou com alguns empresários que se mostraram desiludidos com a feira. Paulo Resende, do ramo do mobiliário, disse que, embora tenham sido procurados sobretudo por portugueses e particulares, esperava "interesse por parte dos empresários e profissionais do setor da construção civil".

Dos empresários radicados no Luxemburgo sobressai um produto: o vinho. As empresas mais conhecidas de comércio de vinhos, charcutaria e produtos gourmet, fizeram-se representar. Fernando Andrade, empresário do ramo, faz também um balanço positivo da feira e explica que "só hoje [domingo] apareceram mais portugueses, nos outros dois dias foram mais visitantes de outras nacionalidades". Para o empresário, os vinhos portugueses "estão finalmente a ganhar reconhecimento e mercado no Luxemburgo". "Tem sido feito um grande trabalho, não apenas nosso, mas de todos os colegas da concorrência", explicou.

Sónia Alves, visitante, veio à feira para "matar saudades de Portugal". Já o colega, João Simões, garantiu que queria encontrar alguns vinhos " e que era o local indicado para tal".

Recém-casada com um francês,  Ana Jordão garantiu que aproveitou a oportunidade para mostrar ao marido "o que se faz em Portugal, porque ele ainda não conhece o país".

De recordar que, entre 2013 e 2017, o volume médio de exportações portuguesas para o Luxemburgo foi de 580 milhões de euros.


Notícias relacionadas

Depois de o ministro luxemburguês da Economia, Etienne Schneider, ter ido a Portugal, foi a vez do homólogo português se deslocar ao Luxemburgo. Manuel Caldeira Cabral esteve no Grão-Ducado e falou com o Contacto sobre a estratégia a desenvolver para estreitar as relações económicas entre os dois países. As ’startups’, o turismo e a economia aeroespacial ocuparam um espaço privilegiado na agenda do ministro.
Ministre portugais de l’Economie, Manuel Caldeira Cabral, Foto Lex Kleren
Ao final do dia de ontem, sábado, tinham passado quatro mil visitantes pelo certame que tem por objetivo dar a conhecer mais do que os produtos gastronómicos portugueses, os serviços e recursos de Portugal.