Escolha as suas informações

Portugal e Luxemburgo vão assinar acordo para organizar formação profissional em português
Luxemburgo 3 min. 12.01.2018 Do nosso arquivo online
Diplomacia

Portugal e Luxemburgo vão assinar acordo para organizar formação profissional em português

José Luís Carneiro esteve hoje reunido com o ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit.
Diplomacia

Portugal e Luxemburgo vão assinar acordo para organizar formação profissional em português

José Luís Carneiro esteve hoje reunido com o ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit.
Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 3 min. 12.01.2018 Do nosso arquivo online
Diplomacia

Portugal e Luxemburgo vão assinar acordo para organizar formação profissional em português

Os Governos de Portugal e do Luxemburgo deverão assinar até final de março um acordo que vai permitir a organização de formação em língua portuguesa para trabalhadores imigrantes, sobretudo no setor da construção.

Os Governos de Portugal e do Luxemburgo deverão assinar até final de março um acordo que vai permitir a organização de formação em língua portuguesa para trabalhadores imigrantes, sobretudo no setor da construção.

O anúncio foi feito hoje pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, após um encontro com o ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit. “O objetivo é estabelecer um quadro de oferta de formação profissional em língua portuguesa, com materiais de apoio em português”, para permitir aos trabalhadores portugueses no Luxemburgo o acesso à “formação contínua, formação profissional e reconhecimento das competências técnicas específicas”.

O acordo vai abranger principalmente o Instituto de Formação Setorial da Construção (IFSB, na sigla em francês), mas o ministro do Trabalho do Luxemburgo disse que gostaria de incluir também a Câmara dos Assalariados e a Câmara dos Ofícios, que também organizam formação contínua. “Precisamos de mão-de-obra com formação na área da construção e noutros setores manuais, e queremos dar oportunidade a todas as pessoas de aceder à formação”, afirmou Nicolas Schmit.

Desde 2002 que a lei luxemburguesa exige um diploma emitido pelo Instituto de Formação Setorial da Construção (IFSB) para progredir no escalão profissional e poder aumentar o salário. Os cursos são necessários também para os trabalhadores desempregados que querem obter novas competências. O problema é que, para os imigrantes portugueses, que representam a maioria dos trabalhadores no setor, isso significa fazer formação e exames em luxemburguês, alemão ou francês, idiomas que a maioria não domina, ficando impossibilitados de aceder a essa formação.

“Muitos formadores são de origem portuguesa, o que já ajuda, mas agora queremos criar um quadro para facilitar a cooperação ao nível da formação profissional, sobretudo no setor da construção, facilitando a utilização da língua portuguesa”, disse Nicolas Schmit. “Vamos trabalhar para criar um quadro para que ninguém seja excluído da formação por razões linguísticas”, acrescentou.

O SECP manifestou a disponibilidade de Portugal “para financiar um manual em língua portuguesa para os trabalhadores [do setor da construção]” e para colaborar com o Luxemburgo. “As agências de formação profissional, sob a responsabilidade dos ministros do Trabalho dos dois países, vão trabalhar conjuntamente para este objetivo”, afirmou.

A reunião de trabalho tinha apenas um ponto na agenda: a formação profissional em português para os trabalhadores portugueses no Luxemburgo, especialmente no setor da construção.
A reunião de trabalho tinha apenas um ponto na agenda: a formação profissional em português para os trabalhadores portugueses no Luxemburgo, especialmente no setor da construção.
Foto: Guy Jallay

O ministro do Trabalho do Luxemburgo disse também que, “havendo a possibilidade ou a necessidade de ter formadores vindos de Portugal”, é “claramente a favor”, nomeadamente para outros setores que não a construção, onde já há professores de origem portuguesa. “A maioria dos formadores atuais, sobretudo no setor da construção, são pessoas de origem portuguesa, e não têm dificuldades para falar em português com as pessoas que não dominam o francês”, explicou.

O ministro do Trabalho disse querer “avançar rapidamente” para concretizar este objetivo, prevendo que o acordo possa ser assinado até “final de março”.

A possibilidade de organizar cursos de formação em língua portuguesa é uma reivindicação antiga da central sindical luxemburguesa OGB-L, mas apesar de ter sido constituído um grupo de trabalho entre os Governos dos dois países, em 2008, essa hipótese nunca se concretizou.

Afirmando estar muito satisfeito com este acordo, o secretário de Estado das Comunidades apontou no entanto “a importância de os trabalhadores portugueses aprenderem uma das línguas [do país], como o francês”, não só “para a sua integração profissional, como social”.

P.T.A. / Lusa


Notícias relacionadas

O departamento de Imigrantes da OGBL enviou hoje uma carta ao ministro do Trabalho do Luxemburgo em que reclama formação profissional em língua portuguesa para os trabalhadores da construção, uma reivindicação antiga do sindicato que ressurge um dia antes da visita de Nicolas Schmit a Portugal.
16.02.2016 Luxembourg, Bettembourg, IFSB, institut de formation sectoriel du bâtiment , Bruno RENDERS  photo Anouk Antony