Escolha as suas informações

PM cabo-verdiano no Luxemburgo: José Maria Neves não afasta candidatura a Presidente de Cabo Verde
Luxemburgo 10 3 min. 15.02.2016 Do nosso arquivo online

PM cabo-verdiano no Luxemburgo: José Maria Neves não afasta candidatura a Presidente de Cabo Verde

José Maria Neves ladeado pela ministra do Turismo, Investimentos e Desenvolvimento Empresarial, Leonesa Fortes, e pelo embaixador Carlos Semedo

PM cabo-verdiano no Luxemburgo: José Maria Neves não afasta candidatura a Presidente de Cabo Verde

José Maria Neves ladeado pela ministra do Turismo, Investimentos e Desenvolvimento Empresarial, Leonesa Fortes, e pelo embaixador Carlos Semedo
Foto: Manuel Dias
Luxemburgo 10 3 min. 15.02.2016 Do nosso arquivo online

PM cabo-verdiano no Luxemburgo: José Maria Neves não afasta candidatura a Presidente de Cabo Verde

O primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, não afasta a sua candidatura a Presidente da República do arquipélago. As eleições presidenciais vão ter lugar este ano, depois das legislativas de 20 de Março. O governante cabo-verdiano disse ao CONTACTO que está a "ponderar" a candidatura.

José Maria Neves disse ao CONTACTO estar a "ponderar sobre o assunto" e prometeu dar a conhecer a sua decisão aos cabo-verdianos "em tempo oportuno". As declarações foram feitas durante o encontro deste domingo com a comunidade cabo-verdiana, na cidade do Luxemburgo.

Sobre as eleições legislativas de 20 de Março, José Maria Neves disse ao CONTACTO que a sua maior alegria é "sentir o reconhecimento dos cabo-verdianos pelo percurso feito nos últimos 15 anos", em que esteve à frente do Governo de Cabo Verde.

Sobre o seu sucessor, disse que "o próximo primeiro-ministro vai encontrar uma visão, uma estratégia e um alicerce já construídos para continuar esta trajectória de crescimento e de melhoria da qualidade de vida dos cabo-verdianos, criando uma economia inovadora e geradora de empregos e de desenvolvimento sustentável", referiu José Maria Neves, confessando apoiar a candidata do seu partido (PAICV), Janira Hopffer Almada, à sua sucessão.

O chefe do executivo cabo-verdiano disse ainda esperar que se "faça uma boa campanha, elevada, baseada na apresentação de projectos alternativos de Governo, e com debates de ideias para que Cabo Verde saia a ganhar".

Questionado sobre o balanço dos 15 anos de governação, o primeiro-ministro de Cabo Verde recordou os objectivos alcançados.

"Nos últimos 15 anos, Cabo Verde tornou-se num país de rendimento médio e cumpriu, no essencial, os objectivos do desenvolvimento do milénio, o que é obra", congratulou-se, lembrando que "poucos países conseguiram alcançar este objectivo".

"Em 1975 tínhamos um país considerado incapaz, onde nem tínhamos água para beber. Hoje despertamos admiração pela forma como nos temos superado: 95% do país está electrificado, 75% da água que consumimos é dessalinizado, temos 50 liceus espalhados pelas ilhas, temos mais de 400 médicos no país e diversas infrastruturas. Reduzimos substancialmente a taxa de pobreza e gerámos postos de trabalho", enumerou.

Mas houve também objectivos que ficaram por cumprir. "Nunca é possível fazer tudo", disse José Maria Neves ao CONTACTO, explicando que os seus três governos trabalharam "no limite das suas capacidades para que Cabo Verde pudesse começar a realizar os seus sonhos".

Durante o encontro com "as únicas riquezas que Cabo Verde possui: os cabo-verdianos e as cabo-verdianas", Neves sublinhou que a comunidade residente no Luxemburgo é "o grande embaixador das ilhas" e a "primeira razão pela qual existe hoje esta estreita relação" entre Cabo Verde e o Luxemburgo.

No momento do adeus, o apelo foi para a diáspora continuar a "amar Cabo Verde e a lutar para garantir uma melhoria de condições de vida no país".

José Maria Neves, está no Luxemburgo desde domingo e até terça-feira, dia 16 de Fevereiro. Esta segunda e terça-feira vão ser dedicados a reuniões com as autoridades do Grão-Ducado.

O governante cabo-verdiano vai ser recebido esta segunda-feira pelo presidente da Câmara dos Deputados, Mars Di Bartolomeo, e pelo ministro da Cooperação, Romain Schneider. Na terça-feira de manhã José Maria Neves será recebido pelo seu homólogo luxemburguês Xavier Bettel.

As relações económicas entre os dois países vão dominar os vários encontros, com destaque para a apresentação do projecto de constituição do fundo “Afroverde I”, um instrumento financeiro de capital de risco que pretende mobilizar vários milhões de euros para serem investidos em empreendimentos turísticos no norte do arquipélago.

Hoje, segunda-feira, este mecanismo é apresentado no Fórum Económico Cabo Verde – Luxemburgo, que o chefe do Governo cabo-verdiano preside e que tem lugar na Câmara de Comércio do Luxemburgo, em Kirchberg.

José Maria Neves faz-se acompanhar ao Grão-Ducado pela ministra do Turismo, Investimentos e Desenvolvimento Empresarial, Leonesa Fortes, que encabeça uma delegação composta por empresários e altos dirigentes de instituições públicas e privadas.

Esta deverá ser a última viagem de José Maria Neves ao Luxemburgo enquanto primeiro-ministro. Durante os três mandatos consecutivos, o governante cabo-verdiano esteve cinco vezes no Grão-Ducado: em Abril de 2012 e de 2010, em Novembro de 2005 e de 2003 e em Maio de 2001.

José Maria Neves foi eleito primeiro-ministro em 2001 e a 20 de Março deverá ser conhecido o seu sucessor. Em liça, estão Janira Hopffer Almada, do PAICV, partido de Neves, e o candidato do partido da oposição, MpD, Ulisses Correia e Silva.

Aleida Vieira


Notícias relacionadas

Bettel fez visita guiada ao primeiro-ministro de Cabo Verde que terminou no Palácio... da China
Na última visita ao Luxemburgo de José Maria Neves enquanto primeiro-ministro, Xavier Bettel recebeu o governante cabo-verdiano como se recebem os amigos. O protocolo deu lugar à informalidade e o primeiro-ministro luxemburguês fez mesmo de cicerone ao seu homólogo cabo-verdiano, numa visita guiada à capital em passo de corrida, "para abrir o apetite" para o almoço oferecido por Bettel num restaurante chinês.