Escolha as suas informações

Plano para próximo ano letivo só em agosto
Luxemburgo 4 min. 29.07.2020 Do nosso arquivo online

Plano para próximo ano letivo só em agosto

Plano para próximo ano letivo só em agosto

Foto: Sebastian Gollnow/dpa
Luxemburgo 4 min. 29.07.2020 Do nosso arquivo online

Plano para próximo ano letivo só em agosto

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
A dois meses do início do próximo ano escolar, o Ministério da Educação do Luxemburgo afirma que ainda é cedo para apresentar a estratégia final, esperada só para o final de agosto. Em Portugal, são pedidos às escolas três planos alternativos para 2020/21: presencial, misto e online.

Leonor Rodeiro, nove anos, garante que a única coisa boa do ensino online foi "não ter de acordar tão cedo". A aluna do terceiro ano pôde dormir mais quarenta minutos mas as aulas deixaram a desejar. "O pior foi mesmo educação física. Tive de fazer os exercícios ali sozinha no tapete e as aulas teóricas. Também tive muitas saudades dos meus amigos". 

Com um ano atípico por causa da pandemia do coronavírus, as escolas fecharam portas, entre março e abril, e todos os alunos tiveram de se adaptar ao confinamento e à escola virtual. Com a tecnologia como "sala de aula", cativar a atenção dos alunos foi um dos maiores desafios na adaptação do estudo para a plataforma Teams, diz Cândida Figueiredo, professora do ensino básico. 

Cândida teve de interromper as aulas da sua turma de 25 crianças do primeiro ano. "Foi muito complicado. Os alunos estavam a aprender a escrever e ler de forma mais autonoma quando fomos forçados a ficar em casa. E as tecnologias ainda não estavam tão disponiveis para crianças tão pequenas". Com um horário fixo – até uma hora e meia, todas as manhãs – muita imaginação e constante adaptação "às necessidades individuais de cada um", deixou "muito pouco do programa de português, matemática e estudo do meio", para o próximo ano. Mas "acabamos todos muito cansados. Alunos e professores".

O balanço é positivo, afirmou o Ministério da Educação do Luxemburgo ao Contacto, admitindo, ainda assim, algumas discrepâncias. "O ensino em casa correu bem em geral, mas é claro que foi mais difícil para alguns alunos do que para outros acompanharem o ensino virtual. No início do confinamento, alguns alunos não puderam acompanhar, principalmente porque não estavam tecnicamente equipados. Estes problemas puderam ser resolvidos: o equipamento digital foi fornecido pelas escolas e autoridades municipais".


Alunos têm melhores resultados nos exames finais que no ano anterior
Cerca de 2.900 alunos passaram nos exames do final do ensino secundário clássico e do ensino técnico, sendo que os exames foram feitos por cerca de 3.500 candidatos.

Sem adiantar o plano para o próximo ano letivo, a equipa liderada por Claude Meisch avança que está "a trabalhar num conceito a vários níveis, incluindo diferentes cenários que se poderiam aplicar de acordo com a situação. É demasiado cedo nesta fase para saber exatamente qual o nível e quais as medidas que se aplicarão em setembro. O conceito será apresentado no final de agosto ou início de setembro". Até lá, o cenário no Luxemburgo é de incerteza e preocupação, uma vez que a ministra da Saúde Paulette Lenert já confirmou que o país enfrenta uma segunda vaga de covid-19.

Cursos de recuperação de matéria gatuitos

Para os estudantes das escolas públicas foram disponibilizados cursos gratuitos de recuperação da matéria a partir de agora. Estas formações vão decorrer nas duas últimas semanas de férias, de 31 de agosto a 11 de setembro.

Esta oferta está também disponível para os alunos de escolas secundárias privadas que aplicam os currículos oficiais. Outra das medidas previstas é disponibilizar dossiês temáticos sobre as principais disciplinas para os alunos dos ensinos básico e secundário. Materiais que poderão ser descarregados a partir de 24 de agosto em www.schouldoheem.lu. Alemão, francês e a matemática são algumas das matérias disponíveis.


Alunos do secundário já podem encomendar manuais gratuitos
A aplicação e a página myBooks, que permitem adquirir os manuais escolares de forma gratuita, já estão a funcionar desde 25 de julho.

Recorde-se que, no final do ano letivo, os professores tiveram a oportunidade de inscrever alunos com lacunas significativas nestes cursos. Agora, os pais podem tomar a iniciativa e inscrever os seus filhos. A matrícula só pode ser feita num curso para "não sobrecarregar os estudantes", esclarece o Ministério da Educação numa nota divulgada.

Já os alunos de escolas públicas internacionais devem informar-se sobre os cursos de de recuperação e inscrever-se diretamente no secretariado da sua escola.

Três planos podem ser ativados em Portugal

Com as aulas presenciais a começar entre 14 e 17 de setembro, a Direção-Geral de Saúde(DGS) e a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) estabeleceu um conjuntos de medidas obrigatórias para todos os estabelecimentos de ensino. Entre as mais relevantes, destacam-se os três planos de ensino em 'regime presencial', 'regime misto’, que implica idas à escola mas tem sessões online e trabalho autónomo orientado, e 'regime online', para situações de emergência sanitária. 

Também é exigido um plano de contingência para possíveis casos suspeitos de covid-19, em que a criança ou adulto será encaminhado para a área de isolamento obrigatória. As escolas passam a ter regras de higienização mais apertadas e os alunos vão ser obrigados a andar por circuitos fixos marcados. Com todos os cuidados, voltar aos pátios e às salas é "uma necessidade", lembra a professora do ensino básico, "porque a escola é muito mais do que só competências para aprender". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A escola básica de São Teotónio, no Alentejo, é uma das mais multiculturais do mundo, onde convivem alunos de mais de 20 nacionalidades. Um realidade que decorre da imensa estufa em que Odemira se transformou e da necessidade de mão-de-obra imigrante para um dos negócios mais rentáveis que se colhe em Portugal: os frutos vermelhos.
dr
Os cursos de Português integrados no horário escolar vão continuar  em pelo menos três das cinco escolas de Differdange, estando a ser negociada nas restantes a possibilidade de organizar cursos no ensino paralelo, fora do horário normal, disse ao CONTACTO o responsável da Coordenação de Ensino, Joaquim Prazeres.
Claude Meisch em exclusivo ao CONTACTO
O ministro da Educação do Luxemburgo garantiu esta manhã, em entrevista exclusiva ao CONTACTO, que afinal os cursos integrados de português vão continuar nas escolas da cidade. Claude Meisch garante ao CONTACTO que "este ano, os cursos vão abrir na maior parte das escolas de Differdange".
O ministro da Educação, Claude Meisch, esta manhã, durante a apresentação do novo ano lectivo 2014/1015