Escolha as suas informações

Petição quer abolir férias coletivas no setor da construção no verão
Luxemburgo 21.02.2019 Do nosso arquivo online

Petição quer abolir férias coletivas no setor da construção no verão

Petição quer abolir férias coletivas no setor da construção no verão

Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 21.02.2019 Do nosso arquivo online

Petição quer abolir férias coletivas no setor da construção no verão

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O site Internet do Parlamento tem, desde hoje, treze novas petições públicas, prontas a ser assinadas, sendo que uma delas pede a abolição das férias coletivas no verão para o setor da construção civil.

O autor da petição é conhecido do grande público e é um defensor da supressão das férias coletivas. Trata-se de Robert Dennewald, antigo presidente da Câmara do Comércio.

Dennewald parte da constatação de que o Luxemburgo regista um aumento constante do número de estaleiros e defende que a imposição de férias coletivas no verão “diminui a capacidade de produção”. O antigo responsável da Câmara do Comércio exige, assim, uma “revisão da lei que estipula o encerramento dos estaleiros durante três semanas no verão”. Considera que essa regra “não faz sentido”, tendo em conta as boas condições climatéricas daquela estação do ano “propícias aos trabalhos no exterior”.

A abolição das férias coletivas seria também benéfica para os trabalhadores, argumenta o peticionário, acrescentando que dessa forma os operários teriam a liberdade de escolher as suas férias.

O documento pode ser assinado até ao dia 4 de abril.

Note-se que não é a primeira vez que há uma petição popular a reivindicar o fim das férias coletivas no setor da construção civil. Já no mês de fevereiro de 2016, uma cidadã lançou uma petição no site do Parlamento a pedir o mesmo, invocando as dificuldades dos trabalhadores do setor em ir de férias em família. O documento não chegou a angariar as 4500 assinaturas para levar a proposta a debate público, no Parlamento.

Ainda na semana passada a central sindical OGBL mostrou-se indignada com as declarações do ministro das Obras Públicas, François Bausch, num encontro com empresários, em que criticou as férias coletivas no setor da construção civil. Recorde-se que já no passado o ministro Bausch defendera a flexibilização das férias coletivas.

Os cerca de 18 000 trabalhadores dos setor da construção civil têm 15 dias de férias no verão e dez no inverno.


Notícias relacionadas