Escolha as suas informações

Petição pública pede mais transparência no mercado imobiliário luxemburguês
Luxemburgo 13.11.2020

Petição pública pede mais transparência no mercado imobiliário luxemburguês

Petição pública pede mais transparência no mercado imobiliário luxemburguês

Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Luxemburgo 13.11.2020

Petição pública pede mais transparência no mercado imobiliário luxemburguês

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O site da Câmara dos Deputados tem desde esta sexta-feira mais cinco petições públicas prontas a serem assinadas.

O site da Câmara dos Deputados tem desde esta sexta-feira mais cinco petições públicas prontas a serem assinadas.

Uma delas reivindica mais transparência no mercado imobiliário luxemburguês, publicando os preços reais de venda e as datas das transações. Segundo o peticionário, o preço de venda real e o preço apontado nos anúncios de venda, divergem. Uma situação que dá uma imagem incorreta do mercado imobiliário no Luxemburgo, permitindo especulações que fazem aumentar o preço das casas e apartamentos.

Segundo o autor da petição pública, alguns relatórios internacionais apontam que a transparência no mercado imobiliário no país é inferior a de outros países da União Europeia. Um outro documento reivindica a proibição de fumar nas paragens de autocarros, elétrico e comboios, como também em passagens cobertas ou subterrâneas.

O peticionário defende que “é sempre desagradável estar ao lado de alguém que fuma nas paragens, mas agora com a crise sanitária, os fumadores tiram a máscara para poder fumar. Para além de poderem contaminar alguém com covid-19, o peticionário acrescenta que para as pessoas que estão ao lado é extremamente difícil respirar na máscara, levando com o fumo dos cigarros”. Se as petições recolherem mais de 4.500 assinaturas até 24 de dezembro, será realizado um debate no Parlamento, com os autores das petições, deputados e ministros responsáveis pelos assuntos em questão.

Consulte todas as petições no site da Câmara dos Deputados. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas