Escolha as suas informações

Petição pública contra certificado de vacinação enquanto vacina não estiver acessível a todos
Luxemburgo 22.03.2021

Petição pública contra certificado de vacinação enquanto vacina não estiver acessível a todos

Petição pública contra certificado de vacinação enquanto vacina não estiver acessível a todos

Foto: AFP
Luxemburgo 22.03.2021

Petição pública contra certificado de vacinação enquanto vacina não estiver acessível a todos

Susy MARTINS
Susy MARTINS
É necessário garantir a igualdade de todos os cidadãos e evitar a criação de privilégios sociais, considera o autor do documento.

O site do Parlamento tem quinze novas petições públicas prontas a serem assinadas, sendo que uma delas pede que não se privilegie as pessoas vacinadas contra a covid-19 em detrimento das não vacinadas, pelo menos enquanto toda a população não tiver acesso à vacina. 

Segundo o peticionário, só uma pequena parte da população teve a possibilidade de ser vacinada, defendendo ser necessário garantir a igualdade de todos os cidadãos e evitar a criação de privilégios sociais.

No texto da petição pode ainda ler-se que nenhuma pessoa vacinada deve ter o direito de aceder a certos eventos festivos, ou de não usar a máscara, enquanto toda a população não tiver a possibilidade de se vacinar contra a covid-19. 

O peticionário não se opõe, no entanto, à criação desse certificado, mas só quando todos os cidadãos tiverem igual acesso à vacina. 


Certificado verde digital. O que é, para que serve e quem ganha com isto?
Passaporte ou documento médico? As perguntas mais frequentes da proposta para ajudar as viagens no verão.

Entra as outras petições públicas prontas a recolherem assinaturas, há uma outra que reivindica agentes de segurança em frente às escolas, estruturas de acolhimento e creches. Segundo o peticionário a medida teria como objetivo proteger os mais pequenos de raptores e pedófilos. 

Caso estas petições recolham mais de 4.500 assinaturas cada até 29 de abril, o tema será levado a debate no Parlamento, com os autores, deputados e ministros responsáveis. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas