Escolha as suas informações

Petição exige abono para pais que deixam de trabalhar para cuidar dos filhos

Petição exige abono para pais que deixam de trabalhar para cuidar dos filhos

Getty Images/iStockphoto
Luxemburgo 13.06.2019

Petição exige abono para pais que deixam de trabalhar para cuidar dos filhos

Susy TEIXEIRA MARTINS
Susy TEIXEIRA MARTINS
A mulher ou o homem que abre mão de um trabalho para cuidar dos filhos deve ter direito a uma espécie de indemnização ou de abono.

Os pais que abdicam de uma carreira profissional para educar os filhos deviam ter direito a um subsídio. Este é o propósito de uma petição pública que está disponível no site do Parlamento (www.chd.lu) há seis dias e que já recolheu mais de mil assinaturas.

A autora da petição, a cidadã Sandy Flesch, defende que a mulher ou o homem que abre mão de um trabalho para cuidar dos filhos deve ter direito a uma espécie de indemnização ou de abono. Isto porque, segundo a peticionária, neste cenário os progenitores desempenham um trabalho equivalente ao de uma assistente parental.

As assistentes parentais são em parte remuneradas pelo Estado, embora de forma indireta, através do sistema de cheque-serviço acolhimento. Caso a mãe ou o pai opte por ficar em casa para tratar dos filhos, a autora da petição defende que o montante do cheque-serviço lhe seja atribuído. Sandy Flesch considera que essa seria também uma forma de valorizar as tarefas domésticas que muitas mulheres e alguns homens desempenham diariamente

A petição pública (com o número 1298) pode ser rubricada até ao dia 19 de julho. Se até lá recolher pelo menos 4.500 assinaturas será realizado um debate no Parlamento, na presença da autora da petição, dos deputados e o ministro da Educação Nacional, da Infância e da Juventude, Claude Meisch.


Notícias relacionadas

Petição no site do Parlamento: Portuguesa quer mais dias para pais que ficam em casa com filhos doentes
Uma portuguesa apresentou uma petição no Parlamento luxemburguês para reclamar mais dias para os pais que ficam em casa com os filhos doentes. A iniciativa já recolheu mais de 3.700 assinaturas desde que foi admitida no site da Câmara dos Deputados, no dia 25 de Janeiro. A autora da petição, a portuguesa Sílvia Gomes, defende sete dias por ano de licença familiar em vez dos actuais dois.
Actualmente, cada um dos pais tem direito a dois dias de licença familiar por ano