Escolha as suas informações

Petição contra vacinação obrigatória atingiu 5.000 assinaturas em apenas dois dias
Luxemburgo 19.09.2021
Covid-19

Petição contra vacinação obrigatória atingiu 5.000 assinaturas em apenas dois dias

Covid-19

Petição contra vacinação obrigatória atingiu 5.000 assinaturas em apenas dois dias

dpa
Luxemburgo 19.09.2021
Covid-19

Petição contra vacinação obrigatória atingiu 5.000 assinaturas em apenas dois dias

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Texto precisava de 4.500 assinaturas para ser discutido no Parlamento.

48 horas foi o suficiente para uma petição lançada no Luxemburgo contra a obrigatoriedade de tomar a vacina anticovid ser assinada por 5.000 pessoas e torná-la, portanto, elegível para debate público. A petição, que ainda vai ficar online até final de outubro, só precisava de 4.500 assinaturas para chegar ao Parlamento. 

A "Petição contra a vacinação obrigatória COVID19 para os cidadãos", disponível desde sexta-feira no site da Câmara dos Deputados, afirma que a exigência de vacinação seria um "obstáculo às liberdades individuais e aos direitos humanos". Christelle Pizzirulli, a peticionária,  exige que seja permitido que os residentes do Grão-Ducado tenham "livre arbítrio" para decidir "o que fazem ou não querem fazer pela sua saúde".


Testes PCR vão passar a ser pagos e os rápidos podem desaparecer
Num forte apelo à vacinação e com as infeções a crescer, o primeiro-ministro, Xavier Bettel, anuncia que a partir de 15 de setembro os testes vão passar a ser pagos.

O Governo do Luxemburgo tem afirmado por diversas vezes que tornar a vacina contra a covid-19 obrigatória não está nos planos. "As pessoas têm medo. A vacinação obrigatória não lhes tirará o medo", disse a ministra da Saúde, Paulette Lenert, numa conferência de imprensa. Lenert disse também que as pessoas mais reticentes à vacinação anticovid encontram-se na faixa etária dos 18 aos 50 anos.   

Também o primeiro-ministro, Xavier Bettel, já tinha afirmado em entrevista ao Wort que não ia "forçar ninguém a ser vacinado". Os governantes defendem, por outro lado, que as pessoas que possam ser vacinadas devem fazê-lo, para se protegerem a si e à sociedade.

A vacinação pode tornar-se, no entanto, critério de contratação como aconteceu no Centro Hospitalar do Luxemburgo (CHL), que anunciou que todos os novos profissionais contratados pela estrutura terão de estar vacinados contra a covid-19.

No Luxemburgo, não é possível, do ponto de vista legal, as entidades laborais forçarem os seus funcionários a fazê-lo ou dispensarem-nos em função disso.   

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas