Escolha as suas informações

Pensões. Eduardo Dias diz que Portugal não leva a sério as suas obrigações com a UE
Luxemburgo 14.02.2019

Pensões. Eduardo Dias diz que Portugal não leva a sério as suas obrigações com a UE

Pensões. Eduardo Dias diz que Portugal não leva a sério as suas obrigações com a UE

Luxemburgo 14.02.2019

Pensões. Eduardo Dias diz que Portugal não leva a sério as suas obrigações com a UE

Diana ALVES
Diana ALVES
Promessas e mais promessas. É assim que o sindicalista Eduardo Dias, da OGBL, reage às medidas anunciadas esta semana pelo Governo português para resolver os atrasos com as pensões dos imigrantes.

No rescaldo da visita do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas ao Luxemburgo, o responsável pelo departamento de imigrantes da OGBL insistiu que o problema está em Portugal e acusou o país de não levar a sério as suas obrigações para com a União Europeia.

Sobre as medidas concretas reveladas agora pelo Executivo luso para resolver o impasse com as reformas dos imigrantes portugueses – denunciado há anos pela OGBL –, Eduardo Dias considera, por exemplo, que as anunciadas permanências sociais de abril não são uma solução milagrosa, já que vão servir apenas para resolver os casos das pessoas que se inscreverem.

Em relação ao novo Centro Internacional de Leiria, cuja única missão é tratar dos processos dos emigrantes, o sindicalista diz que, seja “em Leiria ou na China, a estrutura nada vai resolver”, criticando o facto de o novo organismo não estar situado no centro do país. São medidas para “enganar mosquitos”, diz Eduardo Dias.

Por tudo isto, o responsável pelo departamento de imigrantes da OGBL diz-se cético e que, por isso, vai esperar para ver.

Ver para crer,  como dizia São Tomé,  é a ideia defendida pelo sindicalista em relação à anunciada resolução do problema dos atrasos das pensões, por parte do governo português.


Notícias relacionadas

Maioria de portugueses no Grão-Ducado nasceram em Portugal
Publicados no âmbito do 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, os dados do gabinete luxemburguês de estatísticas (Statec) revelam que sete em cada 10 portugueses residentes no Grão-Ducado nasceram em Portugal (69,4%).
Líder da única lista ao CCP: "Conselho das Comunidades não pode ser sindicato do bota-abaixo"
Rogério de Oliveira lidera a única lista apresentada no Luxemburgo para as eleições do Conselho das Comunidades Portuguesas, agendadas para 6 de Setembro. Ao CONTACTO,o presidente da Associação da Bairrada, que já tinha sido candidato em 2008, contra o ainda conselheiro Eduardo Dias, disse que prefere o diálogo ao confronto, e não poupou críticas àquele órgão consultivo para a emigração, defendendo que não pode ser "um sindicato do bota-abaixo".
Rogério Oliveira tem 69 anos, e é há18 presidente da Associação Cultural e Humanitária da Bairrada no Luxemburgo
Antiga secretária de Estado das Comunidades: “Governo tem de reconstituir uma máquina de apoio aos portugueses no estrangeiro”
“O Governo português deve reconstituir a Secretaria de Estado da Emigração” para dar resposta aos problemas dos emigrantes, como os novos casos de exploração de portugueses na construção. A antiga secretária de Estado da Emigração e das Comunidades, Manuela Aguiar, esteve no Luxemburgo e defende que o Governo deve ter uma política virada para os portugueses que emigram, mas também para os que regressam.
Manuela Aguiar