Escolha as suas informações

Paulo Pisco ao CONTACTO: Luxemburgo "incomodado" com a polémica acerca da proibição do português nas escolas
Luxemburgo 2 min. 13.11.2014

Paulo Pisco ao CONTACTO: Luxemburgo "incomodado" com a polémica acerca da proibição do português nas escolas

Claude Meisch e Paulo Pisco

Paulo Pisco ao CONTACTO: Luxemburgo "incomodado" com a polémica acerca da proibição do português nas escolas

Claude Meisch e Paulo Pisco
Foto: Manuel Dias
Luxemburgo 2 min. 13.11.2014

Paulo Pisco ao CONTACTO: Luxemburgo "incomodado" com a polémica acerca da proibição do português nas escolas

Paulo Pisco esteve esta quinta-feira reunido com o ministro da Educação do Luxemburgo. O deputado do PS, eleito pelo circulo da emigração, diz que o governo do Luxemburgo "está incomodado" com as notícias vindas a público, acerca da limitação do uso da língua portuguesa no sistema de ensino do Luxemburgo.

Paulo Pisco esteve esta quinta-feira reunido com o ministro da Educação do Luxemburgo. O deputado do PS, eleito pelo circulo da emigração, diz que o governo do Luxemburgo "está incomodado" com as notícias vindas a público, acerca da limitação do uso da língua portuguesa no sistema de ensino do Luxemburgo.

Foi o primeiro encontro do deputado do PS com o ministro da Educação do Luxemburgo, depois de o CONTACTO ter revelado a história das crianças portuguesas que são punidas se falarem português nas creches e nos ateliês de tempos livres, no Grão-Ducado.

O deputado do PS disse ao CONTACTO que as notícias não agradaram ao governo do Luxemburgo.

"Há alguma incomodidade do governo Luxemburguês com toda esta polémica que se gerou. Se este tipo de problemas existe, é necessário dar conhecimento directo destes casos ao Ministério para que possam ser resolvidos".

Paulo Pisco diz que ficou "muito agradado" com a abertura do ministro Claude Meisch, e com a visão que o governante tem acerca do lugar que a língua portuguesa pode ocupar no sistema de ensino luxemburguês.

"É muito importante reconhecer o esforço do governo luxemburguês em querer integrar a língua portuguesa no sistema educativo luxemburguês. O português tem o seu lugar no Luxemburgo e a prova desse empenho revela-se no ensino integrado, nos outros projectos-piloto que estão a decorrer, e com o novo projecto da escola internacional em que uma das línguas de opção é o português".

O deputado português diz, no entanto, que reconhece as dificuldades dos portugueses na adaptação ao multilinguismo luxemburguês.

" Este tipo de situação até vem alertar para o problema das línguas e do sistema de ensino luxemburguês, porque é um sistema muito rígido, excessivamente hierarquizado, em que a questão da língua está associada à condição social das pessoas. No caso dos desempregados, 1/3 são portugueses e isso também tem que ver com a dimensão linguística. As línguas acabam por penalizar os imigrantes, e os portugueses não são excepção. E por isso, acabam por não ter as mesmas possibilidades que os outros têm".

Esta tarde, Paulo Pisco manteve ainda contactos com o ministro do Trabalho e com o presidente do Parlamento do Grão-Ducado. O deputado português preside ao grupo parlamentar de Amizade Portugal-Luxemburgo, e está a preparar a vinda dos deputados portugueses ao país.

Domingos Martins


Notícias relacionadas

Ministro da Educação: "Há três anos que propomos às autoridades portuguesas que reorientem o português para o pré-escolar"
É a primeira vez que o ministro da Educação do Luxemburgo fala sobre o fim dos cursos integrados em Esch-sur-Alzette, e a mensagem é clara. O ministro quer que os cursos integrados no ensino primário sejam substituídos por intervenções apenas no pré-escolar. Uma proposta que se aplicaria a todo o país e que representaria o fim dos cursos integrados de língua e cultura portuguesa no ensino primário luxemburguês.
OPINIÃO: O Luxemburgo e a Língua Portuguesa
TRIBUNA LIVRE, por Paulo Pisco - Portugal e o Luxemburgo são países amigos e importantes um para o outro, unidos não apenas pela História, dado que a grã-duquesa Maria Ana era portuguesa, filha de D.Miguel I, e porque, posteriormente, durante a Segunda Guerra Mundial, a família grã-ducal esteve exilada em Portugal, mas também porque nas últimas décadas os portugueses no grão-ducado foram construindo laços que são hoje de tal forma sólidos, que a nossa comunidade é parte incontornável na economia, na sociedade e na política luxemburguesa.
O deputado Paulo Pisco