Escolha as suas informações

Paulette Lenert. "Não vale a pena insistir em testes às cegas"
Luxemburgo 2 min. 24.09.2020

Paulette Lenert. "Não vale a pena insistir em testes às cegas"

Paulette Lenert. "Não vale a pena insistir em testes às cegas"

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 2 min. 24.09.2020

Paulette Lenert. "Não vale a pena insistir em testes às cegas"

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Segunda fase de testes em larga escala é mais orientada e custa 60 milhões de euros.

A ministra da Saúde, Paulette Lenert apresentou esta manhã a segunda fase de testes a larga escala que começou há cerca de dez dias.

Mas antes de se debruçar sobre esta segunda fase de testes, a ministra da Saúde abordou os testes que foram feitos após as férias de verão. No setor da construção, das cinco mil pessoas testadas, sete deram positivo. 

Já no setor das limpezas foram feitos 1.200, sendo que a taxa de infeção era de 0,13%.

Cerca de 53.000 pessoas que viajaram fizeram o teste à covid-19 no seu regresso de férias.

Referindo-se à segunda fase de testes a larga escala, Paulette Lenert explicou que o objetivo continua a ser o mesmo que na primeira, controlar a evolução das infeções e o seu contágio para manter a taxa de infeção o mais baixo possível.

A ministra da Saúde sublinha que não vale a pena testar toda a população, mas testar as pessoas suscetíveis de contrair o novo coronavírus. "Não vale a pena insistir em testes às cegas", defendeu a titular da pasta.

Esta segunda etapa dos testes em larga escala terá várias missões. Uma delas consiste em testar as pessoas vulneráveis e que estão mais expostas ao vírus, como por exemplo os profissionais de saúde, os trabalhadores da hotelaria e restaurantes, os agentes da polícia, alunos do secundário ou ainda pessoas que trabalham nos aviões.

Outro dos objetivos é continuar a testar quem entra no país. 

Neste momento, o teste de diagnóstico já é proposto aos passageiros que aterram no aeroporto do Findel, e no futuro, será também oferecido aos viajantes na gare central do Luxemburgo.

A ministra acrescenta que também vão ser feitos testes reativos em lugares onde são detetados eventuais surtos ou situações anómalas, como em escolas ou empresas.

Paulette Lenert frisou ainda que no outono vão ser feitos testes sorológicos, ou seja que permitem detetar quem já esteve em contacto com o vírus. Todas as semanas são enviados convites a pessoas diferentes, para abranger o máximo de pessoas.

As modalidades para poder fazer o teste são idênticas àquelas da primeira fase, ou seja o convite será enviado para casa, e a pessoa tem duas semanas para se inscrever e dirigir-se a um dos laboratórios.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas