Escolha as suas informações

Covid-19 mais presente nas escolas luxemburguesas
Luxemburgo 08.07.2021
Pandemia

Covid-19 mais presente nas escolas luxemburguesas

Pandemia

Covid-19 mais presente nas escolas luxemburguesas

Foto: dpa
Luxemburgo 08.07.2021
Pandemia

Covid-19 mais presente nas escolas luxemburguesas

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Pela primeira vez desde o início do mês de maio, observa-se um aumento do número de casos de SARS-CoV-2 nas escolas do país. Uma subida que o Ministério da Educação atribui à retoma das atividades de lazer.

A uma semana do fim do ano letivo, há registo de 165 casos na comunidade escolar na semana passada (28 de junho a 4 de julho). Trata-se de um aumento considerável de 132 casos face à semana anterior.


Mesmo com vacinação completa há risco de contaminação, diz Paulette Lenert
Luxemburgo vai aplicar o cruzamento de vacinas e administrar terceiras doses do fármaco contra a covid-19, anunciou esta quinta-feira o Executivo grão-ducal.

Do total de infetados, a maioria (142 casos) corresponde ao “cenário 1, significando que um aluno ou um professor se infetou no exterior da escola, sem registo de propagação do vírus no estabelecimento escolar. 

Em 16 casos observou-se o “cenário 2”, correspondente a dois casos positivos numa turma, em que não foi possível determinar o foco da infeção.

Houve ainda sete casos do “cenário 3”, com três a cinco casos positivos numa mesma turma. Esses casos foram identificados numa escola fundamental e em dois liceus.Não há casos do “cenário 4”, ou seja não foi detetado um foco de infeções no interior de um estabelecimento escolar.

Desde abril que o Ministério da Educação distribui autotestes em larga escala nas escolas do país. Cada aluno e funcionário podem fazer dois autotestes por semana. Uma forma de evitar que o novo coronavírus se propague nos estabelecimentos.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O número de casos positivos de covid-19 continua a baixar nas escolas. Entre 14 e 20 de junho houve menos 21 casos, ou seja, um total de 38 infeções nas escolas do país, quando na semana anterior havia 59.