Escolha as suas informações

Os números da droga no Grão-Ducado

Os números da droga no Grão-Ducado

Luxemburgo 31.10.2018

Os números da droga no Grão-Ducado

Paulo Pereira
Paulo Pereira
No Luxemburgo, a droga mais consumida é a cannabis, mas a cocaína está em subida. Entre 2011 e 2016, o consumo de drogas matou 50 pessoas no país.

Em 2016, os "utilizadores problemáticos" registados pelas instituições luxemburguesas de redução da procura e da oferta eram 5.846 - em 2002 eram 4.701. No Luxemburgo, a droga mais consumida é a cannabis, mas a cocaína está em subida. A cannabis chega de Holanda e Marrocos, enquanto a cocaína vem da América Latina e sul da Europa. Já a heroína chega dos Balcãs e o ectstasy entra a partir da Bélgica. Entre 2011 e 2016, o consumo de drogas matou 50 pessoas no país (cinco em 2016). As verbas aplicadas pelo Ministério da Saúde luxemburguês na redução do consumo foram aumentando nos últimos anos, passando de 10.949,21 milhões de euros, em 2014, para 12.987,14 milhões de euros, em 2017.

Na União Europeia, 93 milhões de pessoas já experimentaram pelo menos uma droga ilegal. Em 2015, havia 1,4 milhões em tratamento, sendo que 1% de adultos entre os 15 e os 64 anos consomem cannabis diariamente. À escala mundial, 250 milhões já tentaram drogas ilegais e existem cerca de 29 milhões de utilizadores problemáticos. A cannabis é a droga mais usada (183 milhões de pessoas), seguindo-se anfetaminas (37 milhões), ecstasy (21,6 milhões) e opiáceos (17,7 milhões). 

Fontes: Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência; Relatório Nacional 2017 sobre as Drogas do Instituto de Saúde do Luxemburgo; Relatório Europeu sobre drogas (2018)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Em Bonnevoie, a sala de chuto não é um salão de chá
Na guerra contra as drogas, as primeiras vítimas são os toxicodependentes, mas à exceção de Portugal, onde o consumo foi despenalizado, a maioria dos países trata-os como criminosos. No Luxemburgo, na única sala de chuto do país, a abarrotar pelas costuras, há muitos portugueses.
As várias faces da droga
Entre os que vivem com medo, aqueles que não resistem às drogas e as autoridades, é sempre de pessoas que se fala em primeiro lugar. Os números são crus e o combate ao tráfico parece interminável.