Escolha as suas informações

Origami eleitoral
Editorial Luxemburgo 2 min. 02.10.2019

Origami eleitoral

Origami eleitoral

Foto: LUSA
Editorial Luxemburgo 2 min. 02.10.2019

Origami eleitoral

Para nós que estamos longe, só nos resta conseguir colar o divertido envelope que nos enviaram pelo correio.

No próximo dia 6 de outubro os portugueses vão eleger um novo Parlamento. No Luxemburgo, parece não seguirmos com atenção a campanha eleitoral. Ao eventual desinteresse que podem ter as caravanas eleitorais dos vários partidos soma-se o facto de estarmos longe do país. Na emigração, muitos de nós seguimos a política portuguesa como na célebre parábola da caverna de Platão. Os gritos e as palavras da campanha eleitoral chegam-nos aqui como murmúrios. Sombras de uma realidade que decorre fora do nosso olhar.

Este ano, pela primeira vez houve um recenseamento automático que aumentou em muito o número de portugueses no estrangeiro que podem votar nas eleições legislativas.

Foram gastos milhões de euros para mandarem uns estranhos envelopes origami de confeção duvidosa, em que os poucos milhares que votam ficam com nítida sensação que o seu boletim será enviado para um buraco negro, sem terem a mínima certeza que o seu voto seja de facto contabilizado.

Numa altura em que a geopolítica se tornou um negócio cada vez mais explosivo, temos votos que passam, sem nenhuma proteção, pelos correios de outros Estados. Aquilo que nos garante é a nossa insignificância. Nenhum outro governo, por mais pirata que seja, gastaria uma moeda para manipular as eleições em Portugal.

Se calhar, porque nada está suficientemente em causa nestas eleições e porque parece impossível qualquer escolha que não seja manter tudo como está.

No início da crise, um dos grandes cronistas do “Financial Times” comparava os dogmas da doutrinas económicas que cristalizaram nas políticas da troika à decisão de um condenado à morte, a quem é dada a possibilidade de viver caso ensine inglês ao cavalo do rei. O homem aceita o desafio pensando: “Neste ano, o rei pode morrer, eu posso fugir e até o cavalo pode aprender inglês”.

Não consta que o equídeo em questão tenham aprendido em inglês, nem que o governo português e o diretório europeu, em vésperas de uma possível nova crise económica e financeira, tenham percebido as razões pelas quais tudo correu mal há uns anos.

Enquanto nada se faz, os portugueses continuam a ser fervidos grau a grau e lentamente não percebendo que estão mesmo a ser fervidos. Isso percebe-se pela contínua saída de gente para outros países e pelo facto das razões que estão subjacentes ao nosso atraso estrutural estejam longe de ser sequer discutidas nesta campanha eleitoral.

Para nós que estamos longe, só nos resta conseguir colar o divertido envelope que nos enviaram pelo correio.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Mélissa da Silva (CDS/PP). “Tenho a experiência das discriminações de que são alvo os cidadãos residentes fora do território nacional”
Mélissa da Silva nasceu em Paris, filha de portugueses de Viana do Castelo, há 28 anos. É licenciada em Marketing e Relações Públicas e está a trabalhar na área do marketing. Prefere não expor aspetos da sua vida pessoal. Defende a sua convicção de que é possível fazer muito mais pela comunidade portuguesa no estrangeiro. Para Mélissa da Silva, o fato de ser ela própria filha de emigrantes, e sempre ter vivido entre França e Portugal, dá-lhe uma perspetiva sobre viver no estrangeiro que os outros candidatos não terão. Por falta de disponibilidade para uma conversa telefónica, a candidata do CDS às eleições legislativas do próximo dia 6 de Outubro preferiu dar entrevista por email. Daí as suas respostas serem muito mais sucintas que as dos outros entrevistados, fato a que o Contacto é alheio.
“Já não há razão para que as pessoas não participem nas eleições portuguesas"
Votar nas eleições portuguesas vai passar a ser mais simples, também para os portugueses no Luxemburgo. Com as novas mudanças, o recenseamento dos portugueses no estrangeiro vai ser automático, mas não obrigatório. O voto por correspondência vai passar a ser gratuito, mas há mais novidades. As mudanças vão aumentar o número de potenciais votantes, sem que os cidadãos tenham de se deslocar ao consulado.
Visite du secrétaire d’État portugais José Luís Carneiro au Luxembourg, le 30 Septembre 2018. Photo: Chris Karaba