Escolha as suas informações

OGBL defende que vacinação não deve ser obrigatória para transfronteiriços
Luxemburgo 13.01.2022
Covid-19

OGBL defende que vacinação não deve ser obrigatória para transfronteiriços

Covid-19

OGBL defende que vacinação não deve ser obrigatória para transfronteiriços

Foto: Lex Kleren
Luxemburgo 13.01.2022
Covid-19

OGBL defende que vacinação não deve ser obrigatória para transfronteiriços

Simon Laurent MARTIN
Simon Laurent MARTIN
A presidente da OGBL, Nora Back, declarou em entrevista à RTL que não é concebível tornar a vacinação contra a covid-19 obrigatória para os trabalhadores transfronteiriços.

Entre os 445.787 trabalhadores do Luxemburgo, cerca de 46% são transfronteiriços e vivem, sobretudo, entre a Bélgica, França e Alemanha. Representam, portanto, uma parte fundamental da massa profissional do Grão-Ducado.   

O regime de CovidCheck obrigatório no trabalho, que entrará em vigor a 15 de janeiro, preocupa todos os trabalhadores, independentemente de onde residem. Será este o caminho para a vacinação obrigatória, como questionou ao Contacto o presidente do Conselho Consultivo dos Direitos do Homem, Gilbert Pregno? Estarão todos incluídos nesta premissa, mesmo os que não moram no país? 


Vacinação obrigatória. Oito dias para discutir a mais difícil decisão em oito anos
"Dizer que a vacinação obrigatória é a resposta para todos os problemas é muito simplista", afirmou o primeiro-ministro, que quer uma decisão aprovada por maioria e assente em questões científicas e não políticas.

Esta quinta-feira, em entrevista à RTL Nora Back, a presidente da OGBL, principal sindicato do Luxemburgo, respondeu a estas questões focando-se na questão dos transfronteiriços. 

Para Back não é possível impor a vacinação contra a covid-19 a trabalhadores residentes noutros países. "Enquanto não houver obrigação de vacinação neste país, há o direito de não ser vacinado. E esse direito vale também para quem trabalha. Não podemos simplesmente dizer a alguém que não está vacinado que já não pode ir trabalhar", disse a presidente.

A líder do sindicato acredita que "o Luxemburgo é um país pequeno que deve ter em conta o que outros países estão a fazer. A vacinação obrigatória dos trabalhadores transfronteiriços não trará nada se falarmos sobre isso de forma isolada. Na Bélgica, a discussão sobre esta medida não é iminente, o mesmo acontece em França. A Alemanha adiou o debate até ao final de março".


Quarentena de não vacinados descontada dos dias de férias? Diretor da UEL defende que sim
Atualmente quem não é vacinado e esteja em quarentena beneficia de uma baixa médica.

O sistema CovidCheck será obrigatório nas empresas a partir de 15 de janeiro. Assim, a partir deste sábado, funcionários e trabalhadores que não estiverem vacinados terão de fazer um teste rápido e certificado na farmácia e apresentar resultado negativo, até 24 horas. Já os testes PCR terão validade de 48 horas. Segundo a União das Empresas Luxemburguesas (UEL), 90% dos trabalhadores do país estão vacinados. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O grupo de peritos defende a obrigação vacinal anticovid para os trabalhadores do setor da saúde, mesmo os transfronteiriços. O CSV defende esta obrigação para todos que vivem e trabalham no Luxemburgo. Bettel quer seguir as recomendações dos especialistas.
A Câmara dos Deputados debateu esta tarde a obrigação vacinal no Luxemburgo.