Escolha as suas informações

OGBL avança com ações sindicais contra pacote de medidas do Governo
Luxemburgo 05.04.2022
Sindicato

OGBL avança com ações sindicais contra pacote de medidas do Governo

Sindicato

OGBL avança com ações sindicais contra pacote de medidas do Governo

Foto: Gerry Huberty/Luxemburger Wort
Luxemburgo 05.04.2022
Sindicato

OGBL avança com ações sindicais contra pacote de medidas do Governo

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A OGBL reitera que não aceita que "a ajuda maciça às empresas, seja financiada através da redução do poder de compra de quase todos os trabalhadores e pensionistas".

Em entrevista à rádio 100,7, a presidente do sindicato, Nora Back confirmou que a maior central sindical do Grão-Ducado está atualmente a preparar ações sindicais e manifestações na rua contra o pacote de medidas.

Nora Back não adiantou, no entanto, as datas concretas dos protestos, sublinhando que para já a central sindical lançou uma campanha de informação para explicar às pessoas porque não assinou o acordo proposto pelo Governo e que foi aprovado na sexta-feira passada.


As três medidas de apoio à habitação anunciadas pelo Governo
Confirmam-se as medidas que já tinham sido anunciadas pelo Governo, como o congelamento do valor das rendas ou o ajuste do subsídio ao pagamento das rendas.

A central sindical deu o não ao acordo da tripartida assinado na sexta-feira passada pelo Governo, patrões e os dois outros sindicatos LCGB e CGFP. "Não podia dar um cheque em branco ao Governo para uma manipulação do índice até 2024". Ao mesmo tempo a OGBL reitera que não aceita que "a ajuda maciça às empresas, seja financiada através da redução do poder de compra de quase todos os trabalhadores e pensionistas".


Salários no Luxemburgo aumentam 2,5% a partir de 1 de abril
Esta é a única indexação prevista para 2022.

Segundo a central, para 40% da população não haverá qualquer compensação e  para cerca de 20% "a compensação será anedótica em comparação com a perda de rendimento causada pelo adiamento da indexação salarial".  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Cerca de 600 trabalhadores do grupo SERVIOR arriscam-se a ver as suas condições de trabalho degradarem-se caso o governo avance com a privatização do setor de cuidados de saúde. O alerta é OGBL que manifesta o seu desagrado com a intenção do Executivo.