Escolha as suas informações

Observatório da Habitação alerta para risco de sobre-endividamento

Observatório da Habitação alerta para risco de sobre-endividamento

Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 30.03.2017

Observatório da Habitação alerta para risco de sobre-endividamento

“Um número significativo de famílias gasta mais de 40% dos rendimentos em dívidas relacionadas com a compra de casa”. O alerta é do Observatório da Habitação.

“Um número significativo de famílias gasta mais de 40% dos rendimentos em dívidas relacionadas com a compra de casa”. O alerta é do Observatório da Habitação (OH), que chama a atenção para o facto de os agregados familiares ficaram em situação mais precária, se forem confrontados com um aumento das taxas de juro dos empréstimos à habitação.

Segundo os dados do observatório, os preços das casas têm aumentado cerca de 4,4% por ano, desde 2010, avança, ainda, o observatório.

Em 2015-2016, o aumento chegou, mesmo, aos 5,6% devido, em grande parte, à subida, em 2015, da taxa do IVA.

O observatório sublinha, ainda, que o custo acentuado da habitação cria um obstáculo ao acesso das famílias ao mercado imobiliário e aumenta os riscos de sobre-endividamento.


Notícias relacionadas

De casa a casota
No Luxemburgo há casas para quem tem dinheiro, há casas para receber as empresas que estão a deixar a praça financeira de Londres, por causa do Brexit, ou para conhecidas multinacionais que encontram aqui vantagens fiscais que não obtém noutros países. Para desalojados que trabalham e descontam ou para quem guarda crianças e precisa de uma habitação talvez haja apenas casotas.
O alerta vermelho dos organismos internacionais sobre o imobiliário
O parque habitacional tem estado no radar de vários organismos internacionais como a organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia e até nas notas de avaliação das agências de rating, Standard & Poor’s (S&P) e DBRS. Os alertas têm sido uma constante nos relatórios que têm sido divulgados sobre o Luxemburgo.
A Comissão europeia é um dos muitos organismos internacionais que tem feito reparos ao estado do mercado imobiliário no Luxemburgo.
Agência Imobiliária Social: Faltam 30 mil casas sociais no Luxemburgo
A Agência Imobiliária Social (AIS) estima que faltem cerca de 30 mil casas para as famílias mais pobres no Luxemburgo. O diretor da AIS, Gilles Hempel, calcula que esse seja o número de habitações sociais que são atualmente necessárias no Grão-Ducado para albergar as famílias mais carenciadas.