Escolha as suas informações

O meu primeiro Natal no Luxemburgo "foi na pandemia e ficámos as duas sozinhas e isoladas"
Luxemburgo 1 3 min. 06.12.2022
Emigrantes

O meu primeiro Natal no Luxemburgo "foi na pandemia e ficámos as duas sozinhas e isoladas"

Emigrantes

O meu primeiro Natal no Luxemburgo "foi na pandemia e ficámos as duas sozinhas e isoladas"

Luxemburgo 1 3 min. 06.12.2022
Emigrantes

O meu primeiro Natal no Luxemburgo "foi na pandemia e ficámos as duas sozinhas e isoladas"

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Para Roberta e Fernanda, mãe e filha, a chegada ao Grão-Ducado para uma vida nova ficou marcada pelas restrições da pandemia de covid-19 e um Natal muito diferente do que tinham vivido no Brasil.

Roberta Züge, 50 anos, e a filha Fernanda, 17, chegaram ao Luxemburgo no ano mais desafiante da história recente - 2020 - o que condicionou muito a primeira Consoada desta família. 

Já tinham visitado o país no ano anterior, tinham conseguido a cidadania luxemburguesa e estavam prontas para deixar Curitiba, sul do Brasil, para viver no centro da Europa. No entanto, o timing não podia ser mais desafiante. "No final de 2020 viemos, em plena pandemia de covid-19! Foi complicado vir sozinha com uma filha adolescente, num período extremamente crítico para adaptação". 

Roberta lembra que "foi uma fase muito difícil, diversos acontecimentos negativos no Brasil e aqui estávamos com restrições, incluindo que quase não conhecíamos gente. Além do medo de uma infeção, havia restrição até de visitas nas casas. Por isso, tivemos de passar o Natal só nós duas e os contactos pela internet. Esta foi nossa forma de confraternizar". 

Roberta e Fernanda viveram uma experiência praticamente oposta aos Natais no Brasil, em pleno verão. Lá em casa, "trocamos presentes, fazemos amigo secreto, há sempre muita e diversificadas opções de pratos e bebidas. É uma festa de abundância em todos os sentidos" diz a mãe. 

Valeu a mãe e filha a relação mútua de apoio que construíram. "Quando uma estava desanimada, a outra tentava mostrar os lados positivos. A Fernanda tinha em mente que precisava superar aquele momento e que seu esforço seria recompensado em novas perspetivas de estudos". Ainda assim, admitem que "aquele Natal foi realmente triste."

Natal virtual 

Apesar de fisicamente não terem a família e amigos por perto, a tecnologia permitiu encurtar distâncias. "Reunimos com diferentes pessoas pela internet. 'Jantamos' com um amigo de infância que estava na Alemanha, ele em Dusserdorf, sozinho em casa, e nós duas aqui: a tela nos unia. Depois (por conta das diferenças de fuso) conversamos com nossos familiares também via webcam", conta Roberta. 


O meu primeiro Natal no Luxemburgo "passei sozinho no quarto. Este ano vai ser igual"
O português Gil da Silva vai voltar a passar a Consoada sozinho, tal como há 10 anos, quando chegou ao Luxemburgo pela primeira vez.

Um ano depois, em 2021, puderam aproveitar algo que não conheciam e que 2020 tinha negado: os famosos mercados de Natal, que ambas adoraram. Roberta reconhece que há semelhanças na decoração ou comida entre Luxemburgo e Brasil "devido à grande imigração de europeus para as regiões sul e sudeste" brasileiros. Ainda assim, como nunca passaram com a Consoada com uma família luxemburguesa, não sabem se é uma "festa" na dimensão a que estão habituadas em Curitiba. 

Este ano, sem a sombra da covid-19, esta família vai reunir-se com amigos e tentar aproveitar o Natal como antes. O melhor presente, esse, Roberta já recebeu: "A minha filha ter sido premiada como a melhor da turma já no primeiro ano dela aqui". 


O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.