Escolha as suas informações

Novo site promove vida e obra de Grã-Duquesa
Luxemburgo 2 min. 14.11.2018

Novo site promove vida e obra de Grã-Duquesa

Novo site promove vida e obra de Grã-Duquesa

Foto: Casa Grã-Ducal
Luxemburgo 2 min. 14.11.2018

Novo site promove vida e obra de Grã-Duquesa

Um novo site da Casa Grã-Ducal conta a história de Maria Teresa, Grã-duquesa do Luxemburgo, e divulga as suas iniciativas sociais.

O site foi para o ar esta quarta-feira. Chama-se apenas "Maria Teresa - Grande-Duchesse du Luxembourg". Ali, conta-se a história da mulher que deixou Cuba quando Fidel Castro chegou ao poder, e que acabaria por conhecer o futuro marido nos bancos da Universidade, em Genebra. A biografia é contada numa cronologia acompanhada de fotografias da época, pertencentes ao espólio da família.

No site, divulgam-se ainda as acções sociais e de solidariedade da Grã-Duquesa, a começar pelo apoio aos projectos de microfinança e ao seu criador, Muhamad Yunus, Prémio Nobel da Paz em 2006.   

Maria Teresa Mestre Batista-Falla nasceu em Cuba em 1956. Com três anos de idade, esta filha de banqueiros cubanos trocou Havana por Nova Iorque com a família, em Outubro de 1959, após a revolução liderada por Fidel Castro. Em 2016, numa entrevista à AFP, Maria Teresa comentou esses tempos. “[Fidel] não era amigo nem inimigo. Foi a pessoa que causou a saída de toda a minha família da ilha de Cuba. Não foi uma situação fácil”, lembrou a mulher do Grão-Duque Henri.

Em 1965, os pais de Maria Teresa instalam-se em Genebra, na Suíça. Foi ali que conheceu o então príncipe Henri do Luxemburgo, quando frequentava o curso de Ciências Políticas. Quando ficou noiva do que viria a ser o seu marido, a 7 de Novembro de 1980, Fidel Castro foi o primeiro a felicitá-la: “A primeira coisa que chegou ao palácio foi um enorme bouquet de rosas vermelhas, acompanhado de uma carta de Fidel Castro com as suas felicitações”, contou na mesma entrevista à agência noticiosa francesa.

Anos depois do seu casamento, a 14 de Fevereiro de 1981, no dia de São Valentim, e já como soberana, depois de Henri ter sucedido ao pai, que abdicou a seu favor em 2000, Maria Teresa encontrou-se com Fidel Castro em Havana, por iniciativa de um primo.

À AFP, Maria Teresa congratulou-se com a normalização das relações diplomáticas entre Washington e Havana, e declarou estar “muito feliz pela população cubana, que sofreu durante tantos anos”. “Os cubanos são um povo que está geograficamente próximo dos Estados Unidos, mas cujo coração e os olhos estão na Europa. Espero que a Europa esteja muito presente neste momento de mudança em Cuba”, disse. “Do ponto de vista económico há muito a fazer nesta ilha, mas também sei que as pessoas estão a trabalhar muito e que as coisas em Cuba podem mudar muito rapidamente”, concluiu.

O casal tem cinco filhos: o grão-duque herdeiro Guillaume (1981), e os príncipes Félix (1984), Louis (1986), Alexandra (1991) e Sébastien (1992). Hoje, Maria Teresa é também avó de quatro netos: Gabriel (2006) e Noah (2007), filhos dos príncipes Louis e Tessy, e Amalia (2014) e Liam (2016), filha dos príncipes Félix e Claire.

Em 1997, Maria Teresa foi nomeada embaixadora da boa vontade da Unesco na luta contra a pobreza, a promoção do microcrédito e a educação das mulheres. Desde 2007 é também Defensora Eminente para as Crianças junto da Unicef (Eminent Advocate for Children), concentrando os seus esforços em ações para apoiar os órfãos com sida e as crianças-soldado.


Notícias relacionadas