Escolha as suas informações

Novo Presidente da República: Marcelo Rebelo de Sousa celebra Dia de Portugal com emigrantes portugueses em Paris

Novo Presidente da República: Marcelo Rebelo de Sousa celebra Dia de Portugal com emigrantes portugueses em Paris

AFP
Luxemburgo 4 min. 09.03.2016

Novo Presidente da República: Marcelo Rebelo de Sousa celebra Dia de Portugal com emigrantes portugueses em Paris

A promessa tinha sido feita durante a campanha. Marcelo Rebelo de Sousa, que hoje toma posse como 19° Presidente da República, vai comemorar o próximo 10 de Junho com os portugueses imigrados em Paris. Uma decisão que o governo felicita.

A promessa tinha sido feita durante a campanha. Marcelo Rebelo de Sousa, que hoje toma posse como 19° Presidente da República, vai comemorar o próximo 10 de Junho com os portugueses imigrados em Paris. Uma decisão que o governo felicita.

É a primeira vez que o 10 de Junho vai ser celebrado fora de Portugal, cumprindo uma promessa que Marcelo Rebelo de Sousa fez ainda durante a campanha eleitoral: comemorar o dia nacional junto dos portugueses emigrados. Dois dias antes de tomar posse, o jornal Público avançou que o local escolhido é Paris, um destino tradicional da emigração portuguesa desde os anos 1960.

Com o novo Presidente vão estar também o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro António Costa – que tinha feito a mesma promessa quando esteve no Luxemburgo no último 10 de Junho.

“Se tudo correr bem nas próximas [eleições] legislativas, pedirei ao Presidente da República que o governo seja representado por outro membro nas comemorações do Dia de Camões e das Comunidades, porque gostaria muito de como primeiro-ministro festejar sempre o 10 de Junho junto das comunidades portuguesas, estejam elas onde estiverem”, disse na altura António Costa.

As comemorações do próximo 10 de Junho deverão começar de manhã cedo em Lisboa, com uma cerimónia militar na Praça do Comércio. Nessa cerimónia, presidida por Marcelo Rebelo de Sousa, na qualidade de Chefe Supremo das Forças Armadas, participará o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

No final da cerimónia, os representantes dos três principais órgãos de soberania deverão então viajar para Paris. Segundo o Público, o chefe de Estado francês, François Hollande, também deverá participar na festa da comunidade lusa em França.

A decisão do Presidente que hoje toma posse é uma inovação em relação ao protocolo e já foi saudada pelo Governo português.

“Ficamos muito satisfeitos com essa decisão do Presidente da República, porque se trata do reconhecimento de uma nova abordagem da relação das instituições portuguesas com os portugueses que vivem no estrangeiro”, disse o secretário de Estado das Comunidades. José Luís Carneiro considerou ainda que chegou o tempo “de se começar a falar dos 15 milhões de portugueses” que vivem em Portugal, e pelo mundo. “Muitas das vezes quando falamos dos portugueses falamos de dez milhões, nós devemos começar a falar dos 15 milhões de portugueses que se encontram hoje em Portugal e também nos [outros] países”, sustentou.

TRÊS DIAS DE TOMADA DE POSSE EM VEZ DE UM

Não é só no local das comemorações do 10 de Junho que Marcelo Rebelo de Sousa rompe com as convenções. As cerimónias oficiais da tomada de posse, que arrancam hoje na Assembleia da República, vão durar três dias em vez de apenas um.

Marcelo Rebelo de Sousa toma posse na Assembleia da República às 9h da manhã (hora de Lisboa). Depois, ao meio-dia, depõe flores nos túmulos de Luís de Camões e de Vasco da Gama, no Mosteiro dos Jerónimos.

Ao final da tarde, Marcelo Rebelo de Sousa participa ainda numa celebração ecuménica na Mesquita de Lisboa. O dia termina 12 horas depois com um concerto para jovens com a fadista Mariza, que vai cantar o hino nacional.

O rei de Espanha, Felipe VI, vai estar presente na tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa. Além de Felipe VI, que realiza assim a sua segunda visita a Portugal – a última foi a 7 de Julho de 2014 – também vai estar na tomada de posse de Marcelo como 19° Presidente da República de Portugal o Chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi.

O presidente da Comissão Europeia, o luxemburguês Jean-Claude Juncker, é outra personalidade internacional já confirmada para a ocasião em que o antigo presidente do PSD e comentador televisivo vai jurar cumprir a Constituição da República Portuguesa, perante 550 convidados no Parlamento. Para a ocasião, a Assembleia da República vai estar decorada com 2.000 rosas com as cores da bandeira nacional.

Em São Bento, numa cerimónia idêntica à de há 10 anos – quando Cavaco Silva substituiu Jorge Sampaio –, prevê-se que o Presidente da República cessante faça a sua última revista às tropas, e intervenções do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e de Marcelo Rebelo de Sousa, já depois da cerimónia de juramento.

Na quinta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa vai discursar perante o corpo diplomático.

Uma visita à cidade do Porto, na próxima sexta-feira, dia 11, encerra o programa das cerimónias de tomada de posse do Presidente da República.

No sábado, o Presidente eleito vai abrir as portas do Palácio de Belém como novo Chefe de Estado, avança o CM. Uma forma também de marcar a diferença em relação aos antecessores, iniciando o mandato com uma política de “casa aberta”.

Marcelo Rebelo de Sousa, 67 anos, é o quinto Presidente da República portuguesa eleito em democracia e suceder a Aníbal Cavaco Silva.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Novo PR: Marcelo promete ser Presidente de “todos sem excepção”
(em actualização) Marcelo promete ser Presidente de “todos sem excepção” O novo chefe de Estado prometeu hoje que será o Presidente de "todos sem excepção", do princípio ao fim do mandato, sem querer ser mais do que a Constituição permite ou aceitar menos do que a Lei Fundamental impõe.
Nova e antigo Presidente da República
PS critica ausência de Cavaco Silva do 5 de Outubro
O líder parlamentar do PS considerou hoje uma "vergonha" a ausência do Presidente da República nas cerimónias comemorativas do 5 de Outubro e advertiu que Cavaco Silva, goste ou não, terá de empossar um Governo socialista.
Cavaco Silva