Escolha as suas informações

Nova petição: "Não" ao luxemburguês como primeira língua do país
Luxemburgo 29.10.2016

Nova petição: "Não" ao luxemburguês como primeira língua do país

Nova petição: "Não" ao luxemburguês como primeira língua do país

Shutterstock
Luxemburgo 29.10.2016

Nova petição: "Não" ao luxemburguês como primeira língua do país

Foi lançada recentemente uma nova petição sobre a língua luxemburguesa que defende a manutenção do multilinguismo no Grão-Ducado.

Foi lançada recentemente uma nova petição sobre a língua luxemburguesa que defende a manutenção do multilinguismo no Grão-Ducado. 

Em resposta à petição n.º 698 que exige que o Luxemburgo se torne na primeira língua de trabalho no Grão-Ducado, surge agora esta nova petição n.° 725 em oposição. 

A petição n.° 698 tinha quebrado o recorde, recolhendo cerca de 15.000 assinaturas, mas a petição "NÃO à língua luxemburguesa como primeira língua oficial em questões administrativas e judiciais", lançada por Joseph Schloesser, defende o multilinguismo no Grão-Ducado, para preservar a diversidade cultural e os trabalhadores estrangeiros.

"Devemos, como sempre temos feito, ser abertos aos outros e não nos fecharmos. O nosso país sempre teve e sempre terá uma grande necessidade de mão de obra estrangeira. Estes moradores e trabalhadores fronteiriços atualmente representam quase 72% da força de trabalho contra 28% dos luxemburgueses. É nosso dever e é do nosso interesse acolher estas pessoas nas melhores condições".

Joseph Schloesser argumenta que se o luxemburguês se tornar na língua oficial do país, muitos funcionários serão penalizados: "É essencial que o contacto seja feito numa linguagem compreensível para todos e que os formulários administrativos e outros documentos oficiais sejam escritos numa das três línguas obrigatórias, ensinadas na escola." 

Aberta para assinaturas no website da Câmara dos Deputados a 25 de outubro, a petição n.° 725 estará disponível até 06 de dezembro. Até à data já foram recolhidas cerca de 1.000 assinaturas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas