Escolha as suas informações

“Não tenho futuro na política. Quero a minha vida de volta”
Luxemburgo 23.12.2019 Do nosso arquivo online

“Não tenho futuro na política. Quero a minha vida de volta”

“Não tenho futuro na política. Quero a minha vida de volta”

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 23.12.2019 Do nosso arquivo online

“Não tenho futuro na política. Quero a minha vida de volta”

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Após oito anos no governo, Étienne Schneider põe um ponto final na sua carreira política e aos rumores que circularam nos últimos dias. Schneider sai do executivo a 4 de fevereiro de 2020

O vice-primeiro-ministro e ministro da Economia e Saúde confirmou, esta segunda-feira, a sua saída do governo. Após oito anos no executivo, Étienne Schneider põe um ponto final na sua carreira política e aos rumores que circularam nos últimos dias.

“Já não tenho futuro na política”. Foi com estas palavras que Étienne Schneider confirmou a retirada do executivo, acrescentando que os maus resultados do LSAP obtidos nas últimas eleições legislativas foram uma das razões para esta decisão. Schneider lembrou que foi cabeça de lista dos socialistas nas legislativas de outubro de 2018 e que o seu partido perdeu três assentos parlamentares.

Quanto ao futuro, Étienne Schneider diz que “ainda não sabe o que vai fazer”.

O ainda vice-primeiro-ministro garante que tem recusado “para já todas as propostas de futuros empregos”. Assegura que não negociou com a ArcelorMittal para integrar o conselho de administração do gigante mundial do aço. Mas se o governo considerar que ele é o melhor candidato para representar o Estado naquela empresa "será uma proposta a ponderar".

Étienne Schneider quer "ter tempo para si e para a sua família". Declarou até “querer a sua vida de volta” e que “não tem futuro na política”. Daí afirmar que vai recusar as três opções possíveis e imediatas: o mandato de deputado (conquistado nas legislativas de 2018), um posto de alto funcionário do Estado e um período de licença sem vencimento.

Schneider sai do governo a 4 de fevereiro de 2020, dia em que será recebido em audiência pelo chefe de Estado, o Grão-Duque Henri, para formalizar a saída do executivo.


Notícias relacionadas

Franz Fayot, Paulette Lenert e Dan Kersch substituem hoje Étienne Schneider no Governo. Após oito anos no Executivo, Schneider abandona hoje a carreira política.
Etienne Schneider a évoqué sa situation depuis Dubaï où il participe à sa dernière mission économique en tant que ministre.