Escolha as suas informações

Não há diferenças hierárquicas entre os dois vice-primeiros-ministros
Luxemburgo 08.02.2019

Não há diferenças hierárquicas entre os dois vice-primeiros-ministros

Não há diferenças hierárquicas entre os dois vice-primeiros-ministros

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 08.02.2019

Não há diferenças hierárquicas entre os dois vice-primeiros-ministros

Diana ALVES
Diana ALVES
Étienne Schneider e Félix Braz têm o mesmo peso no Governo. Não há um vice-primeiro-ministro com mais poder do que outro.

Se dúvidas havia, ficam assim dissipadas. O líder do Executivo, Xavier Bettel, e os dois vice-primeiros-ministros, Étienne Schneider e Félix Braz, esclareceram que não há diferenças hierárquicas entre os dois vices.

Embora não haja distinções em termos de competências, há uma regra para a ordem e sequência dos nomes dos membros do Governo com as mesmas funções em documentos oficiais. E essa regra baseia-se única e exclusivamente na antiguidade no Executivo. Neste caso, o primeiro a aparecer é o nome de Schneider, que integrou o Governo em fevereiro de 2012, sendo que Braz só se estreou enquanto ministro em dezembro do ano seguinte.

Desde as últimas legislativas que Schneider e Braz partilham o posto de número dois do Governo. O socialista Étienne Schneider, que é também ministro da Economia e da Saúde, assumiu esse papel pela primeira vez na anterior legislatura, conservando-o nesta reedição da coligação a três.

Já Félix Braz, titular da Justiça, ascendeu a número dois do Governo depois de o seu partido, o Déi Gréng, ter sido o parceiro de coligação que mais cresceu nas eleições legislativas de outubro. É a primeira vez na história do país que o Executivo tem dois vice-primeiros-ministros.

As explicações de Bettel, Schneider e Braz foram prestadas a pedido do deputado Fernand Kartheiser, do ADR.


Notícias relacionadas

Líderes do DP, LSAP e Déi Gréng em nova ronda negocial
Esta é a quarta ronda negocial entre liberais, socialistas e ecologistas com vista à elaboração de um programa governamental para os próximos cinco anos. Daquilo que se sabe, as negociações poderão estar a entrar na reta final. Aliás, para já, não há outras reuniões agendadas.
Negociações para o novo governo entram na reta final
Para quarta-feira, dia 14 de novembro, está então agendada uma nova ronda negocial com os líderes de cada partido para avaliar o trabalho que tem sido feito no seio dos diferentes grupos. Entretanto, numa declaração à RTL, o vice-primeiro-ministro e ministro da Economia ainda em funções, Étienne Schneider, sublinhou que esse trabalho deverá ficar concluído esta semana.