Escolha as suas informações

"Não está prevista a vacinação obrigatória" no Luxemburgo
Luxemburgo 14.11.2020

"Não está prevista a vacinação obrigatória" no Luxemburgo

"Não está prevista a vacinação obrigatória" no Luxemburgo

Karl-Josef Hildenbrand/dpa
Luxemburgo 14.11.2020

"Não está prevista a vacinação obrigatória" no Luxemburgo

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
O Diretor da Saúde diz que a vacinação é uma "escolha pessoal", embora admita que a vacinação é a única forma de "conter a pandemia".

Na ordem do dia desde que a Pfizer anunciou a eficácia de 90% da vacina contra a covid-19, o debate sobre a obrigatoriedade da vacinação também chegou ao Luxemburgo com o Diretor da Saúde, Jean-Claude Schmit a afastar a hipótese em nome da liberdade individual. 

Em entrevista à RTL, o chefe das autoridades de saúde reconheceu que "a vacinação é a única forma eficaz de controlar esta pandemia", mas chuta o assunto para canto. "É obviamente uma escolha pessoal e nós não prevemos uma obrigação de vacinação no nosso país", arruma o assunto. 

Sobre a rapidez com que a Pfizer e os parceiros da BioNTech desenvolveram o antídoto, Jean-Claude Schmit explica que na era tecnológica o tempo não é o mesmo da gripe espanhola. "Foi pa tecnologia inovadora que tornou possível avançar rapidamente, e depois o esforço internacional. A BioNtech na Alemanha juntou forças com a Pfizer nos Estados Unidos", tentou explicar a receita de sucesso. 

Sem mencionar os testes de eficiência que comprovaram os 92% de eficácia da vacina russa Sputinik V, que a apesar da resistência inicial a Organização Mundial considera "segura", o Diretor da Saúde luxemburguês preferiu enaltecer o feito da dupla norte-americana e alemã "porque esta vacina demonstrou a sua eficácia num estudo clínico em grande escala - mais de 43 mil participantes - em seres humanos, protegendo contra a infecção a 90%. Além disso, não parece ter quaisquer efeitos secundários significativos". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

França já debate vacinação obrigatória
Dividida a classe política francesa começou a antecipar o fim da pandemia depois da divulgação dos testes que dão 90% de eficácia à vacina da Pfizer/BioNtech. Num apelo à transparência, a Autoridade para a Saúde responde que a decisão só pode ser tomada depois de se "tornarem públicos os dados científicos disponíveis sobre a eficácia e segurança das vacinas".