Escolha as suas informações

"Não devemos suspender nenhum membro da família europeia" - Hungria
Luxemburgo 2 min. 14.09.2016 Do nosso arquivo online
Bettel distancia-se de Asselborn

"Não devemos suspender nenhum membro da família europeia" - Hungria

Jean Asselborn, em primeiro plano, não conta com o apoio de Bettel sobre a Hungria
Bettel distancia-se de Asselborn

"Não devemos suspender nenhum membro da família europeia" - Hungria

Jean Asselborn, em primeiro plano, não conta com o apoio de Bettel sobre a Hungria
Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 2 min. 14.09.2016 Do nosso arquivo online
Bettel distancia-se de Asselborn

"Não devemos suspender nenhum membro da família europeia" - Hungria

O primeiro-ministro Xavier Bettel distanciou-se das palavras do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, que defendeu a saída temporária ou permanente da Hungria da UE. "Não devemos suspender nenhum membro da família europeia", disse Bettel, esta terça-feira.

O primeiro-ministro Xavier Bettel distanciou-se das palavras do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, que defendeu em entrevista ao diário alemão Die Welt a saída temporária ou permanente da Hungria da UE, por tratar os refugiados como "animais".

"Acho que devemos ver-nos como uma família em que todos os membros compartilham o mesmo valor e falam um com o outro quando um membro da família não aceita estes valores comuns", disse Bettel, acrescentando: "Não devemos suspender nenhum membro da família".

Confrontado pelo jornal Wort, Bettel preferiu não criticar o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, mas também não concordou com a posição assumida por Asselborn.

O chefe da diplomacia luxemburguesa disse que a UE deveria suspender a Hungria de forma temporária ou mesmo permanente.

"Qualquer país que, como a Hungria, construa muros contra refugiados de guerra ou que viole a liberdade de imprensa e a independência judicial deve ser expulso de forma temporária, ou se necessário de forma permanente, da UE", disse Asselborn numa entrevista publicada esta terça-feira pelo Die Welt.

"Não podemos tolerar que os valores fundamentais da UE sejam massivamente violados. [...] A Hungria actualmente não tem condições para ser membro da UE", acrescentou, fazendo referência às políticas do primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, conhecido pelas suas ligações à extrema-direita.

As declarações de Jean Asselborn aparecem dias antes da reunião informal de Bratislava, a ter lugar na sexta-feira, que juntará chefes de Estado e de Governo de 27 Estados-membros, sem a presença do Reino Unido.

"Jean Asselborn é um frustrado e arrogante"

Quem também reagiu às palavras de Jean Asselborn, mas de forma aberta, foi o seu homólogo húngaro, Peter Szijjart.

"Asselborn foi pouco sério [...] Ele vive a alguns quilómetros de Bruxelas e é um homem frustrado e arrogante. Fala em excluir a Hungria da UE, mas é ele quem se exclui do círculo dos políticos sério. É um niilista, trabalha incansavelmente para a destruição da cultura e da segurança europeias", respondeu o ministro húngaro.

"Os húngaros têm o direito de expressar a sua opinião e decidir com quem querem viver e com quem eles não querem viver. E este direito não pode ser retirado nem pelos burocratas em Bruxelas nem pelo ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo".

Ministro alemão também distancia-se

O ministro alemão dos Negócios Estrangeiros também distancia-se de Asselborn. Durante uma visita a Riga (Letónia), Frank-Walter Steinmeier foi claro.

"Não é uma posição acordada entre os Estados europeus. Não é a minha posição pessoal excluir um Estado-Membro europeu".

A Hungria leva a cabo a 2 de Outubro um referendo impulsionado pelo governo para ganhar mais apoio e recusar qualquer futuro plano da UE que implique receber imigrantes nos estados-membros.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O primeiro-ministro húngaro foi duramente criticado no Conselho Europeu na tarde de quinta-feira, com alguns a sugerir mesmo a aplicação de sanções, outros a pedir para deixar a UE. Tem agora seis dias para se explicar.
Viktor Orban