Escolha as suas informações

Movimento ecológico critica implantação da Google no Luxemburgo

Movimento ecológico critica implantação da Google no Luxemburgo

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 08.02.2019

Movimento ecológico critica implantação da Google no Luxemburgo

Jacques GANSER
Jacques GANSER
A associação de proteção ambiental critica o projeto da gigante tecnológica norte-americana por ocupar uma área verde tão vasta e pela grande quantidade de água que irá ser necessária para abastecer as instalações.

O Movimento Ecológico (MECO, em francês) criticou fortemente o projeto da Google para a construção de um novo centro de dados em Bissen, no Luxemburgo. Os documentos atualmente disponíveis para a reclassificação do terreno de zona verde para "zona especial" estão incompletos em vários pontos. Essas lacunas não permitem que os cidadãos percebam se o projeto está de acordo com os objetivos da política de planeamento regional e com o plano nacional de desenvolvimento sustentável.

O novo centro de dados deverá ser construído na zona a roxo
O novo centro de dados deverá ser construído na zona a roxo
Frank WEYRICH

Dessa forma, não é possível avaliar qual o impacto ambiental do novo centro de dados. Segundo o movimento ecológico, este deveria ter sido avaliado antes da aprovação do projeto, cuja área poderia ser aproveitada para atividades económicas mais significativas, defende o MECO.

A reclassificação da área em questão

A grande quantidade de água que o projeto da Google vai necessitar é também uma questão problemática para o Movimento Ecológico. A associação defende que é urgente saber como é que as instalações vão ser abastecidas com água suficiente, especialmente durante os períodos de seca, sem afetar outras atividades ou habitações.


Google cada vez mais perto de vir para o Luxemburgo
O conselho municipal de Bissen votou hoje a favor da modificação do plano geral de desenvolvimento (PAG) em Busbierg, o que poderá abrir assim caminho para a construção do centro de dados da Google.

Por outro lado, as necessidades energéticas deste projeto não correspondem às intenções do governo de investir em indústrias sustentáveis.

Para o MECO, os aspetos negativos deste projeto superam os benefícios que ainda não foram calculados ou mencionados. Por estas razões, a reclassificação da zona verde como uma "zona especial" não deve ser permitida.

Versão original publicada em alemão no Luxemburger Wort