Escolha as suas informações

Mortes por cancro aumentam no Luxemburgo
Luxemburgo 2 min. 06.01.2020 Do nosso arquivo online

Mortes por cancro aumentam no Luxemburgo

Mortes por cancro aumentam no Luxemburgo

Foto: Fondation Cancer
Luxemburgo 2 min. 06.01.2020 Do nosso arquivo online

Mortes por cancro aumentam no Luxemburgo

O cancro nas mulheres está a aumentar, segundo dados divulgados pela Direção da Saúde. Já as doenças cardiovasculares, apesar da ligeira descida, continuam a ser a principal causa de morte no Grão-Ducado.

As doenças relacionadas com o sistema circulatório e o cancro continuam a ser as principais causas de morte no Luxemburgo, segundo os últimos dados publicados esta segunda-feira pela Direção da Saúde, relativos ao ano 2017.

Nesse ano, morreram 4.137 pessoas em todo o país, um aumento de 4% em relação a 2016. A maioria foi vítima de doenças cardiovasculares, a primeira causa de morte no Grão-Ducado (30,8%, que corresponde a 1.276 pessoas).

Um número que praticamente não mudou em relação a 2016 (1.264 mortes), embora tenha descido ligeiramente (31,8% em 2016).


O controverso tratamento para o cancro que arruinou uma mãe no Luxemburgo
Eva Silva pediu um empréstimo de 20 mil euros para fazer um tratamento com células dendríticas numa clínica na Alemanha. Em abril, a imigrante portuguesa soube que não funcionou. Agora, para além ter de procurar uma solução para os filhos, tem ainda de perceber como vai pagar as dívidas.

Mortes por cancro aumentam ligeiramente

O cancro continua a ser a segunda principal causa de morte, com 28% (1.160 pessoas em 2017, em comparação com 1.121 pessoas em 2016). Houve uma descida nos homens (menos 28 mortes) e um aumento entre as mulheres (mais 67 mortes), em comparação com 2016.

Para os homens, a descida deve-se principalmente ao facto de haver menos mortes por cancro do pulmão, enquanto que para as mulheres, deve-se ao aumento do número de mortes devido aos três cancros mais comuns: cancro da mama (mais 13 mortes), cancro do pulmão (mais 25 mortes) e cancro colorretal (mais dez mortes). 

As doenças cardiovasculares e o cancro são assim os responsáveis por quase 60% da mortalidade no Luxemburgo.

Outras causas principais de morte estão relacionadas com doenças do sistema respiratório (7,6%), distúrbios mentais e comportamentais (5,5%) e causas externas, como acidentes, suicídios e outros (5,3%).


Vídeo. A minha vida não é um cancro
O “Relais pour la Vie” é um fenómeno no Luxemburgo. Todos os anos, milhares de pessoas participam nesta corrida de 24 horas para apoiar e homenagear os doentes com cancro. Ouvimos seis sobreviventes que quiseram partilhar a sua história.

Equilíbrio entre os géneros

Os números de 2017 evidenciam ainda o aumento do número de mortes devido a doenças infecciosas e parasitárias, bem como doenças do trato geniturinário. Já a taxa de mortalidade infantil tem-se mantido estável (48).

A proporção entre mulheres (2.075 mortes) e homens (2.062 morte) permanece equilibrada. Em média, os homens morreram aos 73 anos de idade e as mulheres aos 80.

No Luxemburgo, em 2017 morreram cerca de 11 pessoas por dia, 80 por semana e 345 por mês. Janeiro foi o mês onde mais mortes foram registadas (447). Por outro lado, o mês de agosto foi o menos mortal no Grão-Ducado, com 283 mortes.


Notícias relacionadas

Cancro na origem de 27% das mortes no Luxemburgo
Na comparação europeia, o Luxemburgo é então o sétimo Estado-membro com mais mortes por cancro face ao total de óbitos, sendo que a taxa está 1,3% acima da média dos países da União Europeia.