Escolha as suas informações

Monica Semedo rejeita acusações de assédio moral
Luxemburgo 28.11.2022
PE

Monica Semedo rejeita acusações de assédio moral

PE

Monica Semedo rejeita acusações de assédio moral

Foto: DR
Luxemburgo 28.11.2022
PE

Monica Semedo rejeita acusações de assédio moral

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Num comunicado, a eurodeputada luxemburguesa rejeita as acusações do seu antigo assistente e diz que está à espera de ser chamada para uma “audiência” para se defender.

A eurodeputada Monica Semedo reagiu no domingo às recentes acusações de assédio moral. Num comunicado, a deputada luxemburguesa do Parlamento Europeu (PE) rejeita as acusações do seu antigo assistente e diz que está à espera de ser chamada para uma “audiência” para se defender. E sublinha que o direito a defender-se na presença de um advogado lhe foi recusada.

O caso foi tornado público em março deste ano, e, segundo o Luxemburger Wort, Monica Semedo deverá voltar a ser suspensa por algumas semanas. Durante um determinado período de tempo, não poderá assistir às reuniões do Parlamento Europeu nem receberá ajudas de custo diárias. Para o comissão do Parlamento Europeu, as acusações são fundadas.


Eurodeputada Monica Semedo enfrenta novo castigo por assédio moral
Uma nova investigação interna conduzida pelo Parlamento Europeu pede que a eurodeputada do Luxemburgo seja novamente punida, avança o Wort.

A luxemburguesa de origem cabo-verdiana diz, contudo, que não foi informada da sentença por parte da comissão responsável pelos casos de assédio no PE e que soube da decisão pela imprensa. Semedo sublinha que, ao contrário do que vem na imprensa, não foi informada “nem por carta, nem por email”, ou seja, para Semedo a comissão ainda não tomou nenhuma decisão. 

Semedo diz que não vai comentar (novo) caso na imprensa

A eurodeputada acrescenta que caso já existisse uma decisão tomada, então a comissão “estaria a infringir as regras”. Diz ainda que só dará explicações ao Parlamento Europeu, e que não tomará posição na imprensa sobre o caso de assédio do qual é acusada.

Já em 2021, a eurodeputada eleita pelo Luxemburgo tinha sido acusada de assédio moral por parte de três dos seus assistentes. Na altura, o Parlamento Europeu decidiu suspender a eurodeputada por 15 dias sem direito a receber as respetivas ajudas de custo, uma sanção que a luxemburguesa de origem cabo-verdiana aceitou, reconhecendo os seus erros na altura.

Mas o caso teve repercussões internamente, já que Semedo anunciou a saída do Partido Democrático (DP), considerando que não teve apoio por parte dos seus colegas. Desde essa altura que integra o grupo político "Renew Europe" em Bruxelas.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A decisão surge após o caso de assédio moral a três membros da sua equipa no cargo de eurodeputada.