Escolha as suas informações

Moçambique. Handicap International Luxembourg ajuda vítimas do ciclone Idai
Luxemburgo 10.04.2019

Moçambique. Handicap International Luxembourg ajuda vítimas do ciclone Idai

Moçambique. Handicap International Luxembourg ajuda vítimas do ciclone Idai

Foto: AFP
Luxemburgo 10.04.2019

Moçambique. Handicap International Luxembourg ajuda vítimas do ciclone Idai

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Os últimos dados atualizados esta quarta-feira dão conta de 602 vítimas mortais em Moçambique, na sequência da passagem do ciclone Idai.

A ONG “Handicap International Luxembourg” é uma das Organizações Não Governamentais (ONG) do Luxemburgo que está a apoiar a população da região da Beira, afetada pela passagem do ciclone Idai.

Esta organização humanitária trabalha há largos anos com projetos de desminagem e de apoio a mais de mil amputados em Moçambique.

A Rádio Latina continua a acompanhar a situação e falou com o diretor de Marketing e Comunicação desta ONG, Claude Briade, que regressou na segunda-feira ao Luxemburgo, proveniente da cidade da Beira.

Além de ajudar a população mais frágil, a Handicap International Luxembourg está também agora a apoiar as outras organizações no terreno.

O ciclone Idai afetou perto de dois milhões de pessoas. Em Moçambique morreram 602 pessoas e mais de 1.600 ficaram feridas.

Claude Briade deixa o alerta para a repetição de catástrofes semelhantes, que combinam fenómenos climáticos extremos e a urbanização desenfreada, problema que dificulta, por exemplo, os trabalhos de resgate.

Claude Briade, responsável da Handicap International Luxembourg que acabou de regressar da cidade da Beira, numa altura em que a população local vê-se a braços com casos de cólera, falta de comida e de habitação.

Foto: AFP


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Universidade da Beira retomou as aulas às escuras
A Rádio Latina ouviu o relato de um professor na cidade da Beira. Além da cólera, falta de comida e habitação, a vida ficou mais cara. Uma universidade local retomou as aulas, mesmo sem corrente elétrica.
Vista parcial da região da Beira.