Escolha as suas informações

Ensino de português no Luxemburgo com mais alunos este ano
Luxemburgo 13.09.2017 Do nosso arquivo online
MNE

Ensino de português no Luxemburgo com mais alunos este ano

MNE

Ensino de português no Luxemburgo com mais alunos este ano

Foto: Marc Wilwert / Arquivos Contacto
Luxemburgo 13.09.2017 Do nosso arquivo online
MNE

Ensino de português no Luxemburgo com mais alunos este ano

O ministro português dos Negócios Estrangeiros considerou hoje que o novo modelo para o ensino do português em França e no Luxemburgo "é uma boa solução" e vincou que a procura por estes cursos até aumentou.

O ministro português dos Negócios Estrangeiros considerou hoje que o novo modelo para o ensino do português em França e no Luxemburgo "é uma boa solução" e vincou que a procura por estes cursos até aumentou.

"Acompanhámos desde o início a vontade das autoridades francesas de conceber e organizar o ensino do português no quadro das línguas vivas e não apenas no quadro das línguas de origem dos respetivos imigrantes", enquadrou Augusto Santos Silva, acrescentando que "é esse o lugar próprio do português".

Em resposta aos jornalistas, à margem da celebração do início do ano letivo do ensino do português no estrangeiro, o ministro salientou que "esta passagem, muito importante na maneira como concebemos o ensino da língua, desencadeou um aumento da procura, temos mais gente a querer aprender português em França e temos que responder a essa procura".

Em julho do ano passado, Portugal assinou com a França um protocolo que colocou o ensino de português no dispositivo EILE (Ensino Internacional de Língua Estrangeiro), e, consequentemente, no mesmo patamar de visibilidade de línguas já oferecidas no sistema de ensino francês, como o inglês, o espanhol, o alemão e o italiano, aumentando o número de alunos para 9.000.

O caso do Luxemburgo, disse, é diferente, e chegou a representar um "problema diplomático sério nas relações bilaterais entre os dois Estados", mas foi entretanto ultrapassado.

"No Luxemburgo o caso foi diferente porque o Luxemburgo decidiu propor a extinção dos cursos integrados, uma das duas modalidades tradicionais de ensino de português no país, e procurámos encontrar uma solução, uma alternativa melhor a esses cursos", lembrou o governante.

Como resultado dessa reorganização negociada entre os dois governos, "segundo o coordenador do ensino do português no Luxemburgo, há mais alunos inscritos para aprender português do que no ano passado", disse Santos Silva.


Notícias relacionadas

É a primeira vez que o ministro da Educação do Luxemburgo fala sobre o fim dos cursos integrados em Esch-sur-Alzette, e a mensagem é clara. O ministro quer que os cursos integrados no ensino primário sejam substituídos por intervenções apenas no pré-escolar. Uma proposta que se aplicaria a todo o país e que representaria o fim dos cursos integrados de língua e cultura portuguesa no ensino primário luxemburguês.