Escolha as suas informações

Ministro do Trabalho do Luxemburgo admite dar formação a imigrantes em português
Luxemburgo 22.03.2016 Do nosso arquivo online
Em Lisboa

Ministro do Trabalho do Luxemburgo admite dar formação a imigrantes em português

O ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit (à dta), esteve reunido esta tarde com o seu homólogo em Portugal, Vieira da Silva
Em Lisboa

Ministro do Trabalho do Luxemburgo admite dar formação a imigrantes em português

O ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit (à dta), esteve reunido esta tarde com o seu homólogo em Portugal, Vieira da Silva
Foto: Ministério do Trabalho do Luxemburgo
Luxemburgo 22.03.2016 Do nosso arquivo online
Em Lisboa

Ministro do Trabalho do Luxemburgo admite dar formação a imigrantes em português

O ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit, admitiu hoje a possibilidade de dar formação em língua portuguesa aos trabalhadores portugueses no Luxemburgo, para alguns sectores e "na medida do possível". Schmit falava ao CONTACTO à saída de uma reunião em Lisboa com o seu homólogo português, Vieira da Silva.

O ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit, admitiu hoje a possibilidade de dar formação em língua portuguesa aos trabalhadores portugueses no Luxemburgo, para alguns sectores e "na medida do possível".

Nicolas Schmit, que chegou esta terça-feira a Portugal para uma visita de trabalho de dois dias, alertou no entanto para "a necessidade de os portugueses aprenderem uma língua do país, pelo menos francês".  O ministro falava ao CONTACTO à saída de uma reunião em Lisboa com o seu homólogo em Portugal, Vieira da Silva, com quem esteve reunido ao final da tarde.

A ideia de ministrar cursos em língua portuguesa para os trabalhadores da construção já tinha sido proposta pelo sindicato luxemburguês OGBL em 2008, mas apesar de ter sido constituído um grupo de trabalho entre os dois países, essa hipótese nunca se concretizou. O assunto voltou a estar em cima da mesa em Fevereiro, durante a visita ao Luxemburgo do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, que discutiu essa possibilidade com o ministro do Trabalho e da Educação do Grão-Ducado.

Hoje, Nicolas Schmit disse ao CONTACTO que a ADEM e o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) em Portugal  "vão estabelecer contactos com o fim de dar formação em comum" em língua portuguesa, nomeadamente no sector da construção.

"Para um certo número de sectores, como a construção, essa possibilidade [de dar formação em português], que é discutida há muitos anos, pode existir", disse o ministro, sublinhando no entanto que "a formação no Instituto de Formação Sectorial da Construção já é, em alguns casos, dada parcialmente em português".

O ministro luxemburguês, que viaja acompanhado pela directora da ADEM, Isabelle Schlesser, esteve reunido esta tarde com o seu homólogo em Portugal, Vieira da Silva, e com o presidente do IEFP, Jorge Barbosa Gaspar.

Na quarta-feira, o ministro do Trabalho luxemburguês vai ser ainda recebido pelo primeiro-ministro António Costa.

P.T.A.


Notícias relacionadas

O departamento de Imigrantes da OGBL enviou hoje uma carta ao ministro do Trabalho do Luxemburgo em que reclama formação profissional em língua portuguesa para os trabalhadores da construção, uma reivindicação antiga do sindicato que ressurge um dia antes da visita de Nicolas Schmit a Portugal.
16.02.2016 Luxembourg, Bettembourg, IFSB, institut de formation sectoriel du bâtiment , Bruno RENDERS  photo Anouk Antony