Escolha as suas informações

Ministro da Educação. Reabrir escolas para diminuir os pensamentos suicidas nos alunos
Luxemburgo 3 min. 12.02.2021

Ministro da Educação. Reabrir escolas para diminuir os pensamentos suicidas nos alunos

Ministro da Educação. Reabrir escolas para diminuir os pensamentos suicidas nos alunos

Foto: Luxemburger Wort/Anouk Antony
Luxemburgo 3 min. 12.02.2021

Ministro da Educação. Reabrir escolas para diminuir os pensamentos suicidas nos alunos

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
As escolas vão reabrir para todos os alunos a 22 de fevereiro, após as férias. As consultas de psiquiatria aumentaram muito entre os mais novos e a escola é vital para o seu bem-estar.

O fecho da escola reduz em, pelo menos, 15% os contactos sociais dos estudantes e isso tem fortes consequências ao nível do seu bem-estar emocional, declarou esta manhã o ministro da Educação, Claude Meisch, em conferência de imprensa, cuja primeira parte foi dedicada exclusivamente a esta preocupação. Por isso, as escolas vão reabrir após as férias de Carnaval. Sobretudo para "permitir os alunos de conviverem, verem amigos e colegas, manter os contactos sociais".

Claude Meisch revelou que tem existido um grande aumento nas consultas de psiquiatria das crianças e jovens. Problemas emocionais que podem conduzir a pensamentos suicidas. E são estes que têm de ser evitados, vinca o ministro. A abertura das escolas e o regresso à convivência social pode permitir "diminuir esses pensamentos suicidas" e isso é fundamental.


Adolescentes. Uma geração à deriva no meio da pandemia
São cada vez mais os jovens que procuram apoio psicológico. Têm a vida em "suspenso", e a crise está a causar-lhes sérios problemas emocionais. Os seus testemunhos ao Contacto são um grito de alerta.

A pandemia tem tido consequências graves ao nível psicológico das crianças e jovens "surtindo efeito na sua saúde mental". Nos hospitais, para além da covid-19, "devemos também fazer a triagem nos serviços psiquiátricos para ajudar os para combatem os pensamentos suicidários", frisou o ministro. 

"A pandemia é uma angustia para os jovens e família, eles não sabem como encontrar o caminho a seguir e têm medo de contaminar a família, sobretudo os avós", explicou Meisch, deixando o alerta para "dar muita atenção aos mais novos neste tempo difícil". 

O ministro lançou também um apelo aos professores e aos pais dos estudantes. Quando houver um sinal de alarme os adultos devem agir. "Nas reuniões dos pais com os professores não se deve falar apenas dos problemas letivos, mas também sobre o bem estar dos alunos", pediu Claude Meisch.

Por outro lado, "os professores devem ter a preocupação de ter conversas individuais com cada aluno para perceber como estão a passar esta fase, quais são os seus medos e angústias" e para intervir nos casos preocupantes. "Temos de estar em alerta para os sinais de alarme", pediu o ministro. 

Claude Meisch anunciou a criação de unidades de aprendizagem sobre a pandemia covid-19 no fundamental e no secundário "para discutir o vírus com os alunos, o que se sabe sobre a pandemia e onde eles possam também falar dos seus sentimentos e emoções". "Para as crianças e jovens, é importante compreender o vírus para evitar desesperos", declarou o governante.

"As escolas devem ser reabertas, é vital para o contacto social. Lá podem ver os amigos e estar com outros jovens, o que é importante para a sua estabilidade emocional". Claude Meisch vincou que "apesar das restrições e das regras os contactos são bem limitados, mas não é impossível os jovens verem os amigos".

De seguida, o ministro dirigiu-se aos pais. "A regra de permitir apenas duas visitas ao mesmo tempo em cada casa também vale para os filhos poderem receber os amigos e estar com eles". Cumprindo as medidas não haverá riscos complementares. "No domingo após o almoço, podemos convidar o melhor amigo do nosso filho para ir lá a casa, para eles conviverem", aconselhou Claude Meisch. Temos de nos preocupar com o vírus mas também com o bem-estar dos mais novos nesta fase tão difícil, apela o ministro.  

As escolas reabrem mas com medidas reforçadas para fazer face às novas variantes do SARS-CoV-2. Assim, o uso da máscara individual de proteção será obrigatório em todas as escolas, desde a fundamental (com exceção do ciclo 1) até aos liceus, passando pelos ateliês de tempos livres (‘maisons relais, em francês).

O governo vai também reforçar a testagem na comunidade escolar, estando também previsto recorrer aos testes rápidos de antigénio em meados de março.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas