Escolha as suas informações

Ministra da Saúde. "Vamos cruzar os dedos" para que não surja nenhum caso de coronavírus no Luxemburgo
Luxemburgo 26.02.2020

Ministra da Saúde. "Vamos cruzar os dedos" para que não surja nenhum caso de coronavírus no Luxemburgo

Ministra da Saúde. "Vamos cruzar os dedos" para que não surja nenhum caso de coronavírus no Luxemburgo

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 26.02.2020

Ministra da Saúde. "Vamos cruzar os dedos" para que não surja nenhum caso de coronavírus no Luxemburgo

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
Governo luxemburguês garante que as empresas não podem obrigar os trabalhadores que estão de quarentena a declararem férias.

"Vamos cruzar os dedos" para que não surja nenhum caso  de contaminação com o Coronavírus no Luxemburgo. A ministra da Saúde, Paulette Lenert , assegurou, esta tarde, que é completamente "aleatório" o surgimento ou não do Covid-19 no país.   "Vemos que o vírus se aproxima e, por isso, hoje testámos o sistema de urgência e verificámos que tudo estava operacional", afirmou.  Mas para já não há qualquer caso da doença confirmado no país, garante a ministra da Saúde.  As análises aos dois luxemburgueses suspeitos  de terem contraído a doença deram negativas e eles já estão em suas casas. Quanto aos 16 turistas luxemburgueses que regressaram do Tenerife estão em quarentena em suas casas. Os restantes 14 que estão de férias na ilha espanhola vão ficar de quarentena no hotel. 

Para já,  não vai ser criada qualquer sistema de controle no aeroporto do Luxemburgo. Mesmo para os passageiros que provenham de países em que já existem casos de contaminados, como a Itália, onde já morreram 12 pessoas.

O governo recomenda à população que siga as recomendações emitidas pelas autoridades para evitar a chegada do vírus. "Temos um plano de emergência, em que seguimos 24 horas por dia a situação nos restantes países. Já verificámos o stock de máscaras e medicamentos disponíveis no Luxemburgo", acrescenta a governante.

A ministra da Saúde clarificou ainda "que as empresas não podem obrigar os trabalhadores a declararem férias no caso de estarem em quarentena".  Recorde-se que algumas empresas luxemburguesas estavam a recorrer a esta prática.

Todos os cidadãos que estiveram em países onde existem casos confirmados serão que ser examinados pelas autoridades sanitárias para poderem ter um certificado médico que comprove que não estão contaminados.

Para já não vão ser tomadas medidas nas escolas públicas. Recorde-se que há três casos de escolas privadas que pediram aos alunos e funcionários que estiveram em zonas contaminadas para faltarem durante 14 dias.



Notícias relacionadas

Covid-19. O mês em que abandonamos as ruas da Europa
O estado de emergência de três meses foi decretado há nove dias, mas o número de infetados do país não para de crescer. O Luxemburgo chegou a ser apontado como o terceiro país do mundo com mais casos positivos de coronavírus, por cada milhão de habitantes. O primeiro-ministro, Xavier Bettel, explica a razão: “estamos a fazer mais testes que nos outros países, por isso, temos mais casos registados”.