Escolha as suas informações

Ministra da Saúde garante que o vírus no Luxemburgo não é um problema lusófono
Luxemburgo 3 min. 06.07.2020

Ministra da Saúde garante que o vírus no Luxemburgo não é um problema lusófono

Ministra da Saúde garante que o vírus no Luxemburgo não é um problema lusófono

Foto: Nuno Almeida
Luxemburgo 3 min. 06.07.2020

Ministra da Saúde garante que o vírus no Luxemburgo não é um problema lusófono

Álvaro CRUZ
Álvaro CRUZ
António Gamito, Embaixador de Portugal no Grão-Ducado, a ministra da Saúde luxemburguesa, Paulette Lenert, e o embaixador de Cabo Verde no Grão-Ducado, Carlos Semedo, deram esta segunda-feira uma conferência de imprensa no Ministério da Sáude, direcionada para os lusófonos, na qual pediram aos membros da comunidade residente no país para continuarem a cumprir as medidas preconizadas no combate ao coronavírus.

As autoridades luxemburguesas atribuem aos últimos focos detetados um pouco por todo o país, à realização de festas e de convívios no período do desconfinamento, que não respeitam as normas de saúde, nomeadamente a necessidade de manter o distanciamento social.     

Na sua primeira intervenção, a ministra Paulette Lenert lembrou que "É fundamental continuarmos mostrar grande solidariedade e rigor , todos, na luta contra a pandemia. O vírus ataca essencialmente os mais velhos e frágeis, mas ninguém está ao abrigo de uma possível infeção. Não podemos facilitar neste momento chave da pandemia", vincou.  

"Todo o cuidade é pouco nesta fase. Sabemos algumas coisas sobre o vírus, mas não sabemos tudo, muito menos o que se vai passar no futuro. Por isso, devemos continuar vigilantes", recordou.

António Gamito, Embaixador de Portugal no Luxemburgo, corroborou a ideia da ministra e recordou que "temos que continuar a ser responsáveis e a cumprir as medidas de segurança para impedir que a pandemia continue a alastrar."

Para o representante máximo de Portugal no Grão-Ducado, "Esta doença mata". "O vírus alimenta-se de pessoas. É fundamental que todos mostrem grande solidariedade neste combate, cumprindo essencialmente três das principais medidas que são pilares importantes para evitar a propagação da epidemia: Manter as distâncias de segurança, usar a máscara e utilizar as medidas de higiene com a  maior regularidade possível."

"Não podemos baixar a guarda ao vírus", enfatiza. "Temos de ter um comportamento exemplar nesta fase difícil para todos, queremos ser reconhecidos pelas coisas boas que fazemos", insistiu António Gamito.

Os serviços de saúde detetaram um aumento de infeções em pessoas um pouco por todo o país, entre os quais, imigrantes mais recentes que não dominam as línguas do Grão-Ducado, nomeadamente o francês. 

O coronavírus não é um problema sobretudo das comunidades lusófonas, mas é um problema de todo o Grão-Ducado. O país é muito pequeno e não queremos estigmatizar ninguém, rotulando pessoas, empresas ou escolas"   

Paulette Lenert, ministra da Saúde luxemburguesa.

Sobre esse aumento de contágios do coronavírus que o Governo luxemburguês diz estar preocupado, a ministra Paulette Lenert disse que não dispunham de dados totais por nacionalidades, dizendo que apenas diferenciam estatisticamente os casos entre residentes e não residentes e que "o coronavírus não é um problema sobretudo das comunidades lusófonas, mas é um problema de todo o Grão-Ducado. O país é muito pequeno e não queremos estigmatizar ninguém, rotulando pessoas, empresas ou escolas", explicou.

Carlos Semedo, embaixador de Cabo Verde no Grão-Ducado, começou por lamentar todos os mortos devido à pandemia, reforçando a ideia que "para travar esta tragédia para a qual não estávamos preparados, é fundamental continuarmos a cumprir as regras essenciais para nos protegermos e aos outros também". 

"Se pudermos adiar algumas festas e contactos físicos em encontros que não sejam realmente essenciais, ninguém vai morrer por causa disso", vincou o embaixador de  Cabo Verde no Luxemburgo.

Sobre os mais recentes focos, Carlos Semedo lembrou que "a solidariedade é fundamental em todos os stores da sociedade. Vivemos juntos e é juntos que temos de continuar a lutar contra a pandemia".

Sobre as viagens, nomeadamente no período de férias prestes a começar,  Paulette Lenert diz que "neste momento, nenhuma viagem está proibida", cabendo "a cada um fazer a sua própria avaliação e saber o que deve ou não fazer. E sobretudo ter os devidos cuidados" 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas