Escolha as suas informações

Obra de Vhils "faz justiça" a portugueses no Luxemburgo
Luxemburgo 5 2 min. 10.06.2016 Do nosso arquivo online
Ministra da Administração Interna

Obra de Vhils "faz justiça" a portugueses no Luxemburgo

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, participou hoje na cerimónia do 10 de Junho no Luxemburgo
Ministra da Administração Interna

Obra de Vhils "faz justiça" a portugueses no Luxemburgo

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, participou hoje na cerimónia do 10 de Junho no Luxemburgo
Luxemburgo 5 2 min. 10.06.2016 Do nosso arquivo online
Ministra da Administração Interna

Obra de Vhils "faz justiça" a portugueses no Luxemburgo

A ministra da Administração Interna considerou hoje que o monumento que o artista urbano Vhils vai realizar para homenagear os imigrantes portugueses no Luxemburgo "faz justiça à comunidade no país".

A ministra da Administração Interna considerou hoje que o monumento que o artista urbano Vhils vai realizar para homenagear os imigrantes portugueses no Luxemburgo "faz justiça à comunidade no país".

"A comunidade portuguesa no Luxemburgo é uma comunidade muito expressiva, bem integrada, que contribuiu muito para o desenvolvimento deste pequeno país europeu, e é de toda a justiça assinalar a sua importância", disse Constança Urbano de Sousa, que participou numa cerimónia para assinalar o 10 de Junho, no Instituto Camões no Grão-Ducado.

A ministra, que está hoje no Luxemburgo para participar no Conselho de Assuntos Internos da União Europeia, considerou ainda que a escolha do artista de rua para realizar o monumento é um "orgulho para os portugueses" e uma "mais-valia" para o país.

"O Vhils é talvez um dos expoentes máximos mundiais na arte pública, e é para os portugueses naturalmente um orgulho ter aqui um português a fazer uma obra que leva a excelência da arte portuguesa ao mundo", afirmou, frisando que "para o Luxemburgo será sempre uma mais-valia ter uma obra de arte pública de um português com a craveira" de Alexandre Farto.

O mural vai representar "o rosto de uma mulher ou de um homem", em "homenagem a todos os portugueses que ao longo das últimas décadas foram chegando ao Luxemburgo e que aqui vivem", disse o embaixador de Portugal no Grão-Ducado, Carlos Pereira Marques.

O nome de Vhils, que já tem um mural no país, mas que não está à vista do público, no edifício de alta segurança Freeport, foi proposto pela Embaixada à autarquia, que aprovou o projecto.

"Neste momento está-se à procura do local ideal. O Vhils trabalha em paredes já existentes, e portanto os serviços competentes da autarquia da cidade do Luxemburgo estão neste momento a tentar encontrar o local mais adequado para esse efeito", adiantou o diplomata, à margem de uma cerimónia para assinalar o Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas junto ao busto de Camões, no exterior do Centro Cultural Português.

"Será mais um marco da nossa presença na sociedade luxemburguesa, e também estou muito contente com o facto de termos podido escolher um artista muito jovem, contemporâneo, com um trabalho arrojado mas reconhecido internacionalmente", disse o embaixador, adiantando que o artista está "muito entusiasmado" com o projecto.

No Luxemburgo, Vhils já esculpiu um mural de 26 metros por 10 no interior do Freeport, a primeira zona franca na União Europeia para armazenar obras de arte e artigos de luxo livres de impostos. Ao contrário de outros trabalhos do artista de rua, que atraiu a atenção do mundo a escavar paredes com retratos, o mural realizado para o Freeport em 2014 não pode ser visto pela generalidade do público, já que o acesso ao edifício de alta segurança é limitado.

No Luxemburgo vivem cerca de 100 mil portugueses, que representam 17 por cento da população.

P.T.A.


Notícias relacionadas

Recém-chegado ao Grão-Ducado, mas com muita experiência internacional, António Gamito não considera que o voto nas legislativas para os estrangeiros seja um tema do momento. Quanto à questão da indexação salarial para os funcionários, refere que vai “tentar resolver com Lisboa”. E, além da proximidade que pretende manter com a comunidade portuguesa, vem preparado para reforçar o relacionamento bilateral.
Conhecido por “Bansky português”, Vhils (Alexandre Farto), de 29 anos, é um graffiter famoso pelos seus rostos de grandes dimensões, esculpidos em paredes com berbequins e martelos pneumáticos.
O graffiter Vihls (Alexandre Farto) vai criar na cidade do Luxemburgo uma obra em homenagem à imigração portuguesa
A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. A viver entre Lisboa e o Grão-Ducado, a geógrafa, de 35 anos, é autora de vários estudos sobre os portugueses, incluindo uma tese de doutoramento em que analisa a mobilidade entre os dois países. Diz que o Luxemburgo se “lusificou” e que a emigração portuguesa levou à criação de um “espaço transnacional” que podia servir de modelo para uma Europa sem fronteiras.
O Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo vai ter patente a partir de 29 de Janeiro uma pintura do Museu de Arte Antiga em Lisboa, no âmbito da iniciativa “Obra Convidada”, que vai levar uma tela do museu luxemburguês também a Portugal.
O Museu Nacional de História e Arte do Luxemburgo, na capital, vai acolher uma obra do Museu de Arte antiga, em Lisboa