Escolha as suas informações

Meia centena de pessoas à espera de um rim no Luxemburgo
Luxemburgo 15.03.2019

Meia centena de pessoas à espera de um rim no Luxemburgo

Meia centena de pessoas à espera de um rim no Luxemburgo

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 15.03.2019

Meia centena de pessoas à espera de um rim no Luxemburgo

Apenas 40% dos residentes têm cartão de dador, o chamado "passeport de vie".

Cerca de meia centena de pessoas está à espera de um rim no Luxemburgo. No ano passado, 23 residentes beneficiaram de um transplante renal, tendo, no entanto, de se deslocar ao estrangeiro, segundo dados divulgados pela RTL. 

Um dos grandes entraves à doação de órgãos prende-se com o facto de as pessoas não declararem, em vida, se são ou não dadoras. Sem uma declaração, e em caso de morte cerebral, cabe então aos familiares tomarem essa decisão. Para contornar o problema, existe no país o cartão do dador. De acordo com a rádio luxemburguesa, apenas 40% dos residentes andam munidos desse documento. O chamado "passeport de vie" está disponível, de forma gratuita, em farmácas, consultórios médicos e administrações comunais. O cartão pode também ser encomendado através do site sante.public.lu.

Note-se que a doação de órgãos só é possível em caso de morte cerebral, algo que, segundo a mesma fonte, afeta cerca de 25 a 30 pessoas por ano no Luxemburgo. 

No ano passado foram identificados 11 potenciais dadores no Grão-Ducado. Em quatro casos, os órgãos não foram doados por decisão da pessoa em questão ou dos familiares. No entanto, graças àqueles que doaram, o Luxemburgo contribuiu com 21 órgãos para a Eurotransplant, uma organização não-governamental que coordena os transplantes em oito países, incluindo o Grão-Ducado.  

Diana Alves


Notícias relacionadas

Compensa ser fronteiriço?
Têm rendimentos superiores aos residentes no seu país de residência, mas mais baixos do que os luxemburgueses. Têm casas mais baratas, mas passam mais tempo no trânsito. O Banco Central do Luxemburgo e o instituto de investigação socioeconómica tiraram uma fotografia a quem vive na Bélgica, França ou Alemanha e escolheu o Luxemburgo para trabalhar.